Reforços são-paulinos não tiram a Libertadores da cabeça

Wagner Diniz, Júnior César e Arouca dão entrevista coletiva no CCT da Barra Funda e visam título internacional

Redação,

13 de janeiro de 2009 | 13h06

Apresentados na segunda-feira juntamente com Washington, Renato Silva e Eduardo Costa, os laterais Wagner Diniz e Júnior César, além do volante Arouca, foram entrevistados nesta terça, no CCT da Barra Funda, e o foco continua a ser o mesmo: a disputa da Copa Libertadores.Veja também: Imagens da apresentação dos reforçosSão Paulo retorna aos trabalhos com seis novidadesSão Paulo com problemas na defesa para 2009Confira as novidades do mercado do futebol Paulistão 2009 - Tabela Dê seu palpite no Bolão Vip do LimãoOs três reforços até tentaram falar que a disputa do Campeonato Paulista é importante, e que o São Paulo deve entrar com o pensamento na conquista de tal título, mas a Libertadores ecoa na cabeça de todos: "Vamos por etapas. A primeira é o Paulista, e depois a Libertadores", disse o lateral-direito Wagner Diniz, ex-Vasco.O assunto Libertadores também foi abordado por Júnior César e Arouca, que fizeram parte do elenco do Fluminense que chegou à final da competição continental, perdendo nos pênaltis para a LDU, do Equador.A derrota na final ainda é sentida pelos dois atletas, assim como pelo atacante Washington, que falou com a imprensa na segunda. Para Arouca, o importante para o São Paulo voltar a vencer tal competição é a tranquilidade, algo que faltou ao clube carioca em 2008. "Os jogadores que estão aqui estão acostumados a disputar a Libertadores, mas o que ficou de ruim no Fluminense foi o primeiro jogo da final, quando tomamos três gols de forma rápida, e foi este descuido que nos fez perder. Acho que é preciso ter muita calma e seriedade numa competição como a Libertadores", comentou.Para Júnior César, a grande vantagem do São Paulo em relação ao Fluminense (equipe carioca eliminou a paulista nas quartas em 2008) é a organização do clube e a estrutura oferecida para realizar um bom trabalho. "Os clubes paulistas, especificamente o São Paulo, têm uma excelente organização, o que nos coloca mais perto do título da Libertadores. Os jogadores sonham em jogar no São Paulo e estou aqui. Não poderia perder esta oportunidade de voltar a lutar pelo título que quase foi nosso [do Fluminense] no ano passado."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.