Lucas Merçon/Fluminense
Lucas Merçon/Fluminense

Reformulado, Fluminense aposta em atacante colombiano na estreia do Carioca

Meia Yony Gonzalez é escalado à frente por Fernando Diniz no início do campeonato

Redação, Estadao Conteudo

19 de janeiro de 2019 | 10h58

O Fluminense que iniciará a temporada de 2019 é consideravelmente diferente do que encerrou a última temporada e quase foi rebaixado à Série B do Campeonato Brasileiro. Neste sábado, às 19 horas, o time tricolor começa a caminhada no Campeonato Carioca diante do Volta Redonda, no Maracanã.

O Fluminense integra o Grupo B da Taça Guanabara e, além do Volta Redonda, tem como adversários na primeira fase Americano, Madureira, Portuguesa e Vasco. Segundo maior vencedor do Campeonato Carioca - tem menos títulos apenas que o Flamengo -, com 31 conquistas, o Flu não vence o torneio desde 2012 e é, entre os grandes, quem está há mais tempo, sem levantar a taça.

O maior desafio da equipe em 2019 será entender e assimilar o estilo de jogo do técnico Fernando Diniz, que chegou com moral no clube, a despeito de ter sido demitido do Athletico-PR depois de deixar o clube na zona de rebaixamento do Campeonato Brasileiro.

Conhecido por priorizar o controle da bola, com paciência e evitando, a todo custo, as bolas longas e lançamentos, Diniz tem características antagônicas às de Abel Braga e Marcelo Oliveira, os últimos treinadores que passaram pelo Flu. Brilhante no Osasco Audax, que foi, com ele, vice-campeão paulista em 2016, mas malsucedido no Athletico-PR, o treinador tem a missão de reconstruir o time carioca, após uma temporada de insucessos.

Com mudanças em quase todas as posições, o Fluminense perdeu 14 jogadores, entre eles o goleiro Júlio César, que defenderá o Grêmio, o zagueiro e ex-capitão Gum, Richard e Sornoza, negociados com o Corinthians, e Marcos Junior, que assinou com o Yokohama Marinos, do Japão.

Por outro lado, chegaram oito reforços. Destaque para os meias Bruno Silva e Caio Henrique, emprestado por Cruzeiro e Atlético de Madrid, respectivamente, e o colombiano Yony Gonzales, que foi contratado junto ao Junior Barranquilla.

O meio de campo, setor que pode ser reforçado com a chegada de Paulo Henrique Ganso, apesar do jogo duro que faz o Sevilla, da Espanha, é o que mais mudou e onde estão as incógnitas para a estreia. Diniz ainda não sabe se utiliza Daniel ou Matheus Gonçalves na partida no Maracanã. Na frente, Yony foi definido como centroavante pelo seu bom aproveitamento nas finalizações, e, assim, Luciano jogará aberto. O lateral-direito Gilberto, com dores no joelho esquerdo, desfalca a equipe.

BASE FORTE

O Volta Redonda aposta na base por uma boa campanha no Estadual. Depois de um ano para se esquecer, em que quase só se livrou do rebaixamento à Série D na última rodada, o time manteve a espinha dorsal e, sem reforços badalados, promoverá à equipe principal alguns destaques da Copa São Paulo de Futebol Júnior. Um deles é o atacante Markinhos. Com seus gols decisivos, foi o principal nome do time na campanha histórica no torneio.

 

 

Notícias relacionadas

    Encontrou algum erro? Entre em contato

    Tendências:

    • Fernando Torres se despede do futebol no Japão em jogo contra Iniesta e Villa
    • Torcedores do PSG não querem mais Neymar em Paris
    • Merecido! Sampaio Basquete conquista o bicampeonato da LBF
    • Podcast: personalidades do esporte analisam a situação do futebol no Brasil
    • Bruno Henrique vibra com gols no Maracanã: 'Semana mais feliz da minha vida'

    O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.