Rubens Chiri/São Paulo FC
Rubens Chiri/São Paulo FC

Régis cita Cicinho e Cafú como referências e quer trajetória longa no São Paulo

Jogador diz que teve poucas oportunidades de ficar por tanto tempo em um clube grande e prometeu dedicação

Matheus Lara, O Estado de S.Paulo

16 de março de 2018 | 15h34

Apresentado nesta sexta-feira no CT da Barra Funda, o lateral-direito Régis prometeu dedicação para tentar construir uma longa e vitoriosa trajetória no São Paulo. Ele estava no São Bento e, aos 28 anos, já passou por 16 clubes antes de chegar ao Morumbi, onde tem contrato até 2019.

Dia de ajustes para duelo contra o São Caetano tem reforço e 'estreia' de Aguirre

"A gente começa em clubes menores, que tem calendário curto, e isso acaba contribuindo para não ter tido uma longa passagem em outro clube", afirmou o jogador. "Mas chego estruturado no São Paulo e espero que aqui seja diferente.  Se não tive oportunidade em outros clubes, que consiga no São Paulo. Me credenciei para estar aqui." 

Régis diz viver seu melhor momento na carreira, chegando à equipe tricolor depois de se destacar no Estadual com o São Bento, de Sorocaba. "O São Paulo abriu as portas para mim no melhor momento da minha carreira. O desafio valoriza minha carreira e chego preparado."

O lateral cita Cafu e Cicinho como referências e diz que vai construir sua carreira com humildade. "O São Paulo sempre teve laterais de muita qualidade, como Cicinho e Cafu, jogadores que serviram a seleção. Cada um tem sua história e vou construir com humildade a minha."

O atleta chega para disputar a vaga de Militão, zagueiro de origem, mas que conquistou a confiança do ex-técnico Dorival Junior pela direita. Bruno também é opção para a posição. "O Bruno tem sua história e seu valor e o Militão tem despontado com grande potencial. Chego com respeito e quero ajudar o São Paulo."

Sem poder atuar na fase de mata-mata pelo São Paulo por já ter atuado no torneio por outro clube, o São Bento, o jogador garante dar seu máximo nos treinos para os duelos contra o São Caetano e diz que vai aproveitar o tempo sem jogar para conhecer e se adaptar ao novo clube.

"O São Paulo vai ter um jogo difícil diante do São Caetano. Quero agregar trabalhando com afinco nos treinos e vou torcer para que a equipe faça grandes jogos. Ficar sem jogar é diferente, mas quer agregar ao máxima com a camisa nova. Tenho que entender o perfil do clube, me comprometer com os treinos e fazer meu melhor."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.