Eddie Keogh/REUTERS
Eddie Keogh/REUTERS

Regras para visto de trabalho do Reino Unido podem dificultar contratação de brasileiros

Estrangeiros terão de atender a uma série de requisitos e atingir pontos estipulados pelo governo britânico

Raphael Ramos, O Estado de S.Paulo

23 de fevereiro de 2020 | 04h30

A proposta do governo britânico de reforma no sistema de imigração a partir de 2021 deve provocar forte impacto no Campeonato Inglês e pode dificultar a contratação de jogadores brasileiros. O projeto foi apresentado na última quarta-feira e o Parlamento decidirá se aprova o novo modelo.

Para receber o visto de trabalho, estrangeiros, inclusive da União Europeia, terão de atender a uma série de requisitos e atingir pontos estipulados pelo governo britânico. Ter uma oferta de trabalho já aprovada vale 20 pontos, por exemplo. Se o estrangeiro comprovar aptidão, são mais 20 pontos. Quem falar bem Inglês ganhará outros 10 pontos, assim como o trabalhador que receber acima de um salário mínimo e meio.

Para jogadores de futebol, o maior desafio será ganhar os 20 pontos dados a quem ocupar uma “vaga de trabalho escassa”. A nota mínima para ter o visto é 70. “Infelizmente ninguém sabe quais serão as consequências dessas mudanças, mas estou certo de que algo será feito para combater a nova legislação”, disse ao Estado Howard Wilkinson, presidente da LMA (League Managers Association), sindicato de dirigentes esportivos da Inglaterra.

O centro da discussão é se atletas serão incluídos ou não no novo sistema. “Nas regras atuais de imigração existem exceções para ocupações específicas, que incluem líderes religiosos, esportistas e artistas. A legislação que deverá entrar em vigor em janeiro de 2021 provavelmente manterá essas exceções para cidadãos de fora e da União Europeia”, disse, otimista, Bobby Barnes, vice-presidente executivo da Associação de Jogadores Profissionais.

A Federação Inglesa de Futebol concorda em afrouxar as regras e permitir que jogadores estrangeiros não precisem se submeter às mesmas normas de trabalhadores de outros setores desde que os clubes da Primeira Divisão não excedam o limite de 260 atletas de fora do Reino Unido – o equivalente a 13 jogadores por time. “A federação acredita que liberar o acesso, mas impedir o aumento no número atual de jogadores estrangeiros, beneficiaria todo o futebol inglês”, afirmou o porta-voz da entidade.

766E3C01-53A8-483E-9B06-CCE0C7108013
A federação acredita que liberar o acesso, mas impedir o aumento no número atual de jogadores estrangeiros, beneficiaria todo o futebol inglês
E0EAB005-9061-4B3D-86B9-AEB61693E313
porta-voz, da Federação Inglesa de Futebol

Somado a isso, o Reino Unido saiu da União Europeia no mês passado. Por enquanto, não existem proibições de inscrições para jogadores europeus, pois há livre circulação dentro da União Europeia. As regras, porém, serão mantidas somente até a próxima janela de transferências de junho a agosto, quando os clubes britânicos poderão ir às compras sem qualquer tipo de restrição.

Mas, após o período de transição, passam a valer as regras estabelecidas pelo governo do Reino Unido: cidadãos da União Europeia terão de cumprir os mesmos critérios que os trabalhadores de fora da comunidade. Ou seja, precisarão também atender à lista de exigências e pontuação para obter o visto de trabalho no Reino Unido.

NOVO SISTEMA DE IMIGRAÇÃO DO REINO UNIDO*

  • 20 pontos: Ter uma oferta de trabalho aprovada 
  • 20 pontos: Aptidão para exercer a profissão
  • 20 pontos: Ocupar vaga de trabalho escassa
  • 20 pontos: Receber mais do que um salário mínimo e meio
  • 10 pontos: Provar que fala bem Inglês

 *Para receber o visto será necessário somar 70 pontos

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.