Ivan Storti/Santos FC
Ivan Storti/Santos FC

Reintegrado ao elenco, Bryan Ruiz continua com futuro incerto no Santos

Costa-riquenho chegou a pedir transferência em janeiro, mas não conseguiu acertar com outro clube

Redação, Estadão Conteúdo

22 de maio de 2019 | 08h18

Sem jogar uma partida pelo Santos desde o dia 12 de novembro do ano passado, quando a equipe foi derrotada pela Chapecoense por 1 a 0 pelo Campeonato Brasileiro, o costarriquenho Bryan Ruiz foi reintegrado ao elenco do time alvinegro na terça-feira, quando voltou a trabalhar com o restante do grupo comandado pelo técnico Jorge Sampaoli.

Contratado em julho do ano passado, o meio-campista de 33 anos disputou apenas 14 jogos pelo clube no segundo semestre de 2018, sendo que em somente três partidas ele foi titular. Neste período, não conseguiu marcar nenhum gol e deu duas míseras assistências que resultaram em bolas na rede.

Embora tenha sido reintegrado ao elenco, Bryan Ruiz continua com futuro incerto no Santos, ao qual chegou a pedir pela rescisão do seu contrato, de maneira amigável, em janeiro passado. Como o meio-campista não vinha correspondendo com a camisa da equipe, a diretoria alvinegra disse que aceitaria cedê-lo a outro clube, mas o atleta não conseguiu acertar a sua transferência para nenhum time e acabou permanecendo na Vila Belmiro.

Principal destaque da Costa Rica na surpreendente campanha que levou o país às quartas de final da Copa do Mundo de 2014, no Brasil, onde a sua seleção só foi eliminada nos pênaltis pela Holanda, Bryan Ruiz ainda não foi sequer relacionado por Sampaoli para um jogo nesta temporada. Encostado, ele só se reintegrou aos treinos com o restante do elenco santista depois de pedir ao argentino por isso e após conseguir se recuperar de um problema nas costas.

O costarriquenho chegou ao Santos em 2018 após encerrar a sua passagem pelo Sporting, clube português que o contratou em 2015 junto ao Fulham, da Inglaterra, sendo que neste período ele teve uma breve e fracassada passagem pelo PSV, da Holanda, onde atuou por empréstimo. O jogador assinou acordo para defender o time brasileiro por dois anos, mas é improvável que cumpra todo o compromisso, pois até agora ficou bem distante de justificar o investimento em sua contratação.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.