Pablo Valadares/Câmara dos Deputados - 2/7/2019
Pablo Valadares/Câmara dos Deputados - 2/7/2019

Relator espera colocar projeto de clube-empresa em prática em 2020

Expectativa do deputado Pedro Paulo é que os times brasileiros possam disputar a próxima temporada já no novo modelo administrativo

João Prata, O Estado de S.Paulo

26 de novembro de 2019 | 04h30

O relator do projeto clube-empresa, o deputado Pedro Paulo (DEM-RJ), concedeu nesta segunda-feira entrevista ao Estado e explicou as mudanças que podem acontecer no futebol brasileiro caso a medida seja aprovada em Brasilia. A proposta vai ao plenário da Câmara nesta terça-feira. A expectativa é que até o fim do ano ela seja aprovada também pelo Senado e que os times já possam migrar para o novo modelo administrativo em 2020. Com esta entrevista, o Estadão começa um série de quatro capítulos sobre o assunto que vai te ajudar a entender melhor o assunto.

Como surgiu a ideia do projeto?

Iniciamos no recesso essa discussão por uma provocação do presidente Rodrigo Maia, olhando o cenário do futebol brasileiro. De um lado os resultados esportivos brasileiros aparece, em especial da seleção e de alguns clubes. Mas quando olha o cenário internacional o futebol brasileiro está muito abaixo do seu potencial. Essa ideia não é nova de dar uma oportunidade de associações sem fins lucrativos migrar para clube empresa. O desfio é fazer com que o negócio sobreviva, que é o que não aconteceu no Brasil, por causa da alta carga tributária e do alto endividamento.

Quais os benefícios de o clube se tornar empresa?

O primeiro ponto é que em um clube, salvo algumas exceções, os dirigentes não têm nenhuma responsabilidade, tomam decisões que geram endividamento e isso não provoca nenhuma responsabilidade para os clubes. No formato empresarial eles terão que responder com o patrimônio deles. Eles têm que dar satisfação aos conselhos porque o dinheiro das pessoas está em jogo Esse é o primeiro fator positivo. O segundo é que vamos trabalhar uma carga tributária simplificada. Um pouco maior do que um clube sem fins lucrativos, mas bem menor do que os cerca de 40% que uma empresa tradicional paga. Isso vai permitir que o clube possa competir internacionalmente, que possa ter geração de caixa para atacar o endividamento. 

Como funcionará a renegociação das dívidas?

Só os clubes da Série A juntos representam quase R$ 7 bilhões seja com governo ou instituições privadas. De 2017 para 2018, a dívida dos clubes cresceu 8%. É um problema particular do futebol brasileiro. A gente precisa atacar esse endividamento porque ele sufoca os clubes. 

Quem poderá investir nos clubes?

Depende do formato. Clube da Série B ou Série A pode formar Limitada e não abrir ação para o mercado. Mas pode ter clubes grandes que se tornem S/A com ações negociadas em bolsas de valores. Isso pode acontecer. Tive o cuidado de colocar mecanismos de proteger investidores que queiram lavar dinheiro e queiram tomar conta do clube. Por exemplo: não podemos ter investidor comprando o Palmeiras e sendo sócio do Corinthians. Se um investidor comprar mais de 5% das ações, vamos saber todos os dados do investidor, até o nome do tataravô do investidor, são mecanismos de transparência absolutos para que se possa saber de onde ele vem. 

O Figueirense é um exemplo...

Queremos evitar problemas como aconteceu com o Figueirense, que veio investidor de baixa qualidade, que não se sabe a origem dos recursos. Criamos mecanismos de transparência absolutos, mas isso estará ofertado ao mercado. 

Por outro lado, o Flamengo é um exemplo positivo de associação desportiva...

No início, o Flamengo tinha divergência de a medida ser obrigatória. O projeto não é mais obrigatório. Havia discussão sobre equiparação tributária, isso já foi superado. Nessas discussões com o Flamengo, o projeto de clube-empresa evoluiu e entendeu a mensagem de respeitar e entender melhor quem fez o dever de casa. O projeto respeita isso quando se torna optativo. O Flamengo quer continuar como associação e isso vai ser respeitado. Não vamos mexer. O Flamengo tem condições, tem torcida e dirigentes que estabeleceram mecanismos de gestão que o faz competir globalmente.

E como será realizar um campeonato entre associações e empresas?

No formato de empresa que estou apresentando, estamos adicionando alíquota de 5%, que vai substituir todas as alíquotas que uma empresa normal pagaria: Contribuição Sobre Lucro Líquido, Imposto de Renda Sobre Pessoa Jurídica, etc. Todos esses impostos serão substituídos por uma alíquota simplificada. Dará uma diferença entre clube associação civil e clube-empresa de somente 5%. Isso é muito mais competitivo do que o Bragantino Red Bull que deve pagar algo em torno de 35% de carga tributária total, em comparação com os outros clubes que pagam em torno de 5%. O Bragantino hoje é um ponto fora da curva. O Vitória e o Bahia, por exemplo, tiveram uma experiência e não prosseguiram por causa da carga tributária. Há diversos motivos para explicar por que eles não deram certo, mas basicamente foi a alta carga tributária e a pouca transparência e clareza do investidor.

O Corinthians é um clube que se mostrou contrário à ideia. Uma das críticas do presidente Andrés Sanchez é que o clube pode virar um Figueirense...

Ele não está contra. Tenho conversado com o Andrés desde o início. Ele tem contribuído muito. Ele tem me provocado desde o princípio, especialmente em uma conversa sobre regime de contratação. É importante mexer no regime de contratação do futebol que tem muitas especificidades. Há confusões entre a Lei Pelé e o regime CLT. Isso não significa que vamos reduzir direitos dos atletas, mas atualizar esses direitos com base na reforma trabalhista. Para responder essa crítica que ele colocou sobre a transparência do investidor, colocamos esse capítulo específico de fiscalização.

O que pode acontecer se um clube-empresa quebrar?

Hoje, se o clube se endividar e depois ser perdoado, isso mascara a má gestão. E, no fim, quem está pagando a conta é a sociedade. Por outro lado, se tornar o clube uma empresa e ele acabar, numa eventual falência, a marca vai sumir. É algo que temos de proteger. Tem países em que acontece isso: quebrou, quebrou. Sai do mapa. Nós estamos adotando um modelo aqui que o mecanismo será a cessão da marca do clube. Por exemplo, se o Palmeiras quiser virar uma empresa, ele não poderá transferir o escudo e a cor de sua bandeira. Estará protegida por 30 anos, renováveis por mais 30. Se no futuro quebrar, poderá entrar em recuperação judicial para tentar escapar da falência. Mas se falir, a marca é devolvida para o clube social e a vida começa de novo, com mais dificuldade, claro, mas a marca não vai sumir.  

Qual é a expectativa para que os clubes possam se beneficiar deste projeto?

A expectativa é que possamos nesta semana, mais tardar na próxima, aprovar o projeto na Câmara. Aí ele irá ao Senado para que possamos fazer outras modificações, se necessárias, aprovar e até o fim do ano possamos disponibilizar essa legislação para que os clubes de futebol virem e, a partir de 2020, já disputem campeonatos no formato empresarial.

Quais clubes já demonstraram ser favoráveis a esse modelo?

Atlético-PR, Botafogo, vários outros que estão estudando o projeto, como Palmeiras e Corinthians. Não tenho dúvidas de que muitos clubes estarão observando o desdobramento disso. Os bons exemplos que trouxerem resultado vão gerar ambiente de contaminação positiva. Não é uma chave que vira de uma hora para outra. Ela também não vai resolver tudo, a boa administração depende de pessoas. É preciso também a CBF dar passos adiante, ajustar mais os clubes. Nos países que deram certo, as Ligas se organizaram. Tem muitas outras coisas, mas é um passo para os  clubes se organizarem. 

A aprovação do clube-empresa pode ocasionar em uma liga de clubes independente?

Vamos colocar propostas que possam melhorar as condições esportivas. A gente fugiu disso. Os clubes terão de discutir isso com as entidades, entre eles.... O legislador não tem de querer legislar tudo. Ele tem de criar condições para que a legislação possa ajudar e não interferir. A lei vai dar oportunidade para que empresas nasçam e se multipliquem no futebol. O futebol pode ajudar o Brasil também. A cadeia produtiva do futebol gera 370 mil empregos diretos e indiretos. O dinheiro do futebol brasileiro representa 0,2% do PIB. É muito pouco. Há um estudo da FGV que acredita que esse número pode sair de 370 mil e ir para um milhão, um milhão e meio de postos de trabalho. Imagina o impacto para o Brasil, que hoje tem 12 milhões de desempregados?

Tudo o que sabemos sobre:
futebolclube empresaPedro Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.