Remo joga no desespero contra o Marília

O Clube do Remo, dono de uma das maiores torcidas do Norte e Nordeste do País, enfrenta amanhã à noite, em seu estádio, Evandro Almeida, diante do Marília (SP), o pior dilema de seus quase cem anos de existência: é obrigado a vencer para continuar sonhando em fugir do rebaixamento para a terceira divisão. Em 21º lugar na Série B, com 19 pontos, o time paraense faz a pior campanha de sua participação em mais de 30 anos de campeonatos nacionais. Conseguiu apenas três vitórias, perdeu seis partidas e empatou onze. Os torcedores andam irritados com a fraquíssima atuação do time e culpam a diretoria por não ter contratado reforços, mantendo a mesma equipe que conquistou invicta o bicampeonato paraense. Na partida de amanhã, o treinador Givanildo, além de ter nas mãos um time com gritantes limitações técnicas na defesa, meio-campo e ataque, não poderá contar com o meia Gian e com o lateral direito Adriano, suspensos por cartões amarelos. Ele deve fazer algumas improvisações e já advertiu: quer muita raça do começo ao fim da partida.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.