Renato: "Aqui é Romário e mais dez"

E o presidente do Vasco, Eurico Miranda, surpreendeu mais uma vez os torcedores e contratou Renato Gaúcho para ser o novo técnico da equipe, após a saída de Dário Lourenço. Mas o novo treinador chegou prometendo resolver os problemas de São Januário, atualmente penúltimo colocado no Campeonato Brasileiro, com uma solução antiga: "aqui também é Romário e mais dez", frisou ele, que como ex-jogador foi ídolo do Flamengo, Fluminense e Botafogo. E justamente por ser um dos "peixes (amigo)" de Romário foi que Renato Gaúcho teve sua contratação viabilizada - assim como o ex-zagueiro tetracampeão do mundo em 1994 Ricardo Rocha, que será seu auxiliar. Hoje, ao se apresentar ao novo clube, o treinador não poupou elogios ao artilheiro e assegurou que o "Baixinho" continuará tendo seus privilégios, a exemplo do que ocorreu na época em trabalharam juntos no Fluminense. "O Romário é ídolo, um craque e um jogador que admiro e confio bastante. Vai ser o comandante do meu time sim", enfatizou Gaúcho. "Infelizmente no nosso País as pessoas esquecem fácil do ídolo. As mesmas críticas de hoje eu escutava quando nós estávamos no Fluminense em 2003 e o time só permaneceu na Primeira Divisão por causa dos gols do Romário." E Romário não poupou elogios ao novo técnico do Vasco. Disse, inclusive, que o Gaúcho já conseguiu melhorar o semblante do jogadores. "Com sua malandragem, no bom sentido, ele vai trazer muitas coisas boas e vai tirar o time desta situação", avaliou o artilheiro. Com a aprovação de Romário, Gaúcho assegurou que seu primeiro objetivo será o de motivar o elenco vascaíno. E o novo treinador ainda lembrou que até o artilheiro e amigo precisa se motivar mais, porque pode ter um desempenho melhor do apresentado nos últimos jogos. Sobre a incômoda penúltima colocação do Vasco, na tabela de classificação do Brasileiro, com apenas nove pontos, Gaúcho afirmou que em 2003, quando treinou o Fluminense, encontrou uma situação pior. Otimista, destacou ter a consciência de que o time vascaíno não é um dos melhores, mas está no mesmo nível que os demais. E previu que o time tem condições de conquistar uma vaga na Copa Sul-Americana (lugar assegurado aos que terminarem entre a quinta e décima primeira posições do Nacional). "Quem quiser trabalhar para me ajudar e ajudar o clube estará dentro. Agora, se sentir que alguém quer prejudicar o trabalho será cortado", avisou o técnico do Vasco, que estréia quarta-feira, contra o Santos, na Vila Belmiro. "Trabalho há mais de vinte anos no futebol e confio na minha capacidade." Como jogador, o novo técnico do Vasco estreou em 1982 no Grêmio. Depois, o atacante Renato Gaúcho passou por Flamengo, Botafogo, Cruzeiro, Atlético-MG, Fluminense e Bangu. No Europa atuou pela Roma. A estréia como técnico ocorreu em 1996 no Fluminense. E depois teve uma rápida passagem no Madureira, retornando outras vezes para o Tricolor carioca. Alienado - O presidente do Vasco, Eurico Miranda, por vezes, dá demonstrações de que parece viver em uma outra realidade. Hoje, durante a apresentação de Renato Gaúcho em São Janúario, o dirigente mostrou que a penúltima colocação no Nacional não chega a incomodá-lo. "Podem jogar dez bombas iguais as que foram lançadas em Hiroshima (cidade japonesa bombardeada durante a Segunda Guerra Mundial) que aqui nem as estruturas serão abaladas", desdenhou o dirigente vascaíno. "O Vasco tem a estrutura de um Rolls-Royce (tradicional marca inglesa de carros de luxo). Só que não está andando. Mas, vai começar a andar."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.