Daniel Augusto Jr/Agência Corinthians
Daniel Augusto Jr/Agência Corinthians

Renato Augusto atribui 50% da campanha do Corinthians a Tite

Autor de dois gols neste domingo, meia destaca trabalho do técnico

RAPHAEL RAMOS, O Estado de S. Paulo

20 de outubro de 2015 | 13h01

O meia Renato Augusto avaliou que o técnico Tite tem 50% de responsabilidade pela boa campanha do Corinthians no Campeonato Brasileiro. Restando sete rodadas para o fim da competição, a equipe é líder com 67 pontos, oito a mais do que o Atlético-MG, o segundo colocado.

"O Tite tem 50% de participação, principalmente pela remontagem da equipe. Ninguém apostava no Corinthians no início da temporada e hoje muita gente fala que já é campeão. Ele tem 50% no mínimo de culpa", disse o meia em entrevista coletiva no CT do Parque Ecológico, nesta terça-feira.

Renato Augusto destacou a regularidade do Corinthians no campeonato. Em 31 jogos, a equipe sofreu apenas quatro derrotas. "Somos um time muito equilibrado. Atacamos da mesma forma que defendemos, com todos os jogadores. Diziam que o Jadson eram preguiçoso e que não marcava, mas ele tá correndo muito. No nosso time, quem não correr não joga."

Destaque da goleada por 4 a 1 sobre o Atlético-PR, no último domingo, ao marcar dois gols, o meia vive agora a expectativa de voltar à seleção brasileira. Na próxima quinta-feira, Dunga anunciará a lista de convocados para os jogos contra Argentina e Peru, pelas Eliminatórias Sul-Americanas para a Copa do Mundo de 2018.

"Depois de tudo o que passei, ir para a seleção foi ótimo. Mostrei meu trabalho nos treinos, mesmo sem ter entrado. Quero continuar buscando para ter uma oportunidade. Estou muito feliz", disse.

O Corinthians volta a campo no domingo, quando enfrenta o Flamengo, no Itaquerão, pela 32ª rodada do Brasileirão. Todos os ingressos destinados à torcida alvinegra estão esgotados.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolCorinthiansRenato Augusto

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.