Lucas Figueiredo/CBF
Lucas Figueiredo/CBF

Renato Augusto treina com a seleção e afasta chance de corte da Copa do Mundo

Meia volta a participar de uma atividade com o grupo após sentir dores no joelho esquerdo

Almir Leite, enviado especial / Londres, O Estado de S.Paulo

07 Junho 2018 | 13h29

O meia Renato Augusto afastou a possibilidade de ser cortado da seleção brasileira do grupo da Copa do Mundo ao participar de parte do treino na tarde desta quinta-feira, no CT do Tottenham. O jogador teve sensível melhora das dores no joelho esquerdo, fez mais uma sessão de fisioterapia pela manhã, de cerca de 1h30, e à tarde foi autorizado pelo médico Rodrigo Lasmar e pelo fisioterapeuta Bruno Mazziotti a ir para o campo.

 

Renato Augusto chegou no campo depois de todos os jogadores e assistiu à primeira parte do treinamento sentado no banco de reservas. Quando Fred levou uma forte pancada de Casemiro no pé direito e precisou deixar o gramado, ele levantou-se e chegou a caminhar em direção ao campo. No entanto, não foi autorizado a entrar.

Depois, na segunda parte do treinamento, ele foi chamado a entrar na equipe reserva. A imprensa não pôde acompanhar, mas as informações são de que ele treinou com desenvoltura.

"Não existe possibilidade de corte. Está descartada. Claro que precisamos acompanhar a evolução do dia a dia. Ele precisa evoluir dentro do prazo, mas está tudo correndo bem", disse Lasmar, após o trabalho realizado no CT do Tottenham.

O retorno do meia aos treinamentos é uma boa notícia, mas não significa que ele vá participar da partida de domingo contra a Áustria, em Viena. O jogador deverá ficar no banco, mas Tite ainda acha cedo para aproveitá-lo, pois a semana que ficou sem treinar também comprometeu sua condição física.

"Seu aproveitamento domingo dependerá de como se sentir nos próximos dias. Mas só será liberado à medida que tivermos total segurança'', afirmou o médico Rodrigo Lasmar. "Se não puder jogar domingo não há empecilho maior. Temos tempos até o início da Copa.''

Renato Augusto foi titular da seleção brasileira durante praticamente todas as Eliminatórias e, mesmo com queda de rendimento, foi preservado ao máximo por Tite. O treinador o tem como um jogador de confiança, pela sua liderança e visão de jogo. Isso o levou a convocá-lo para o grupo que jogará a Copa, mesmo estando em ritmo bastante inferior aos demais, pelo fato de atuar no futebol chinês.

Por isso, também a comissão técnica relutou bastante até para admitir a possibilidade de corte e preferiu esperar pacientemente pela recuperação do jogador.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.