Lucas Uebel/Grêmio
Lucas Uebel/Grêmio

Renato comemora empate do Grêmio em Chapecó: 'Não perdemos 2 pontos, ganhamos um'

Equipe gaúcha enfrenta o Flamengo duas vezes nesta semana, por Copa do Brasil e Brasileirão

Estadão Conteúdo

30 de julho de 2018 | 10h52

Com um time cheio de reservas, o Grêmio foi até Chapecó (SC) e conseguiu voltar para Porto Alegre com um empate por 1 a 1 na bagagem. O resultado pela 16.ª rodada do Campeonato Brasileiro não foi bom ao time em termos de classificação - está em quarto com 27 pontos, agora sete atrás do líder Flamengo -, mas deixou o técnico Renato Gaúcho satisfeito.

"Foi ótimo. Muito bom, usamos uma equipe alternativa, desentrosada e com vários garotos. Era um jogo difícil até mesmo pela situação da Chapecoense no campeonato (perto da zona de rebaixamento). A equipe fez uma boa partida, lutou e brigou o tempo todo. Não perdemos dois pontos, ganhamos um. O importante é pontuar fora de casa. Era uma equipe totalmente diferente e mesmo assim conseguimos um bom resultado", ressaltou Renato Gaúcho em entrevista coletiva.

Mais uma vez, o treinador gremista teve de explicar as razões de poupar titulares e utilizar jogadores reservas em uma partida do Brasileirão. Isso porque o time encara o Flamengo, nesta quarta-feira, em Porto Alegre, pela rodada de ida das quartas de final da Copa do Brasil. E no domingo enfrentará o mesmo rival, também em casa, pelo Nacional.

"Há dois anos que falo a mesma coisa. O jogador não é robô. De vez em quando, eles precisam descansar. Hoje (domingo) perdemos o (zagueiro) Bressan. Imagina se colocamos a equipe principal e perdemos dois ou três jogadores para quarta-feira. Não tem milagre. Vai seguir assim (revezamento). Jogar no Maracanã, contra o Sport, é mole. Sem deslocamento. Queria ver se o jogo fosse em Recife. Mas não tenho nada a ver com o Flamengo, eles fazem o que quiser", afirmou.

Sobre a procura por mais um zagueiro, Renato Gaúcho lembrou que não adianta contratar se o atleta não tiver qualidade. "Não podemos trazer qualquer zagueiro, tem que ser um bom que nos ajude. Perdemos o Bressan por umas três semanas. Mas não é por isso que precisamos contratar, já estávamos procurando. Mas tem que ser bom, não adianta trazer qualquer um", completou.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.