Renato diz que Grêmio ainda sonha com título brasileiro

Técnico destaca espírito de luta e superação da equipe para se aproximar dos líderes do campeonato

AE, Agência Estado

25 de outubro de 2010 | 08h34

O empate por 2 a 2 com o Internacional, no Estádio Olímpico, impediu que o Grêmio entrasse no grupo dos quatro primeiros colocados do Campeonato Brasileiro, mas não tirou a esperança de Renato Gaúcho. Para ele, o time ainda está na luta por uma vaga na próxima Libertadores e até pelo título nacional. No momento, o Grêmio está na oitava colocação, com 47 pontos, sete atrás do líder Fluminense.

Veja também:

linkGrêmio e Internacional empatam por 2 a 2 no Estádio Olímpico

BRASILEIRÃO - lista Resultados | tabela Classificação

"Eu falei para o meu grupo que deixamos de ganhar os dois pontos, pelo o que jogamos. Mas não podemos esquecer que o líder do campeonato não subiu. Degrau a degrau, a gente pensa em Libertadores e aquela luzinha no final do túnel está ficando mais forte. Faltam sete jogos, vinte e um pontos a serem disputados e nós estamos a sete do líder. Eu tenho que pensar em Libertadores e em título, sim. É difícil, mas vai depender muito das três próximas rodadas", afirmou.

No clássico de domingo, disputado no Estádio Olímpico, o Grêmio esteve em vantagem no placar por duas vezes. Porém, sofreu com a expulsão do volante Fábio Rochemback. Por isso, Renato destacou o espírito de luta e a superação da equipe para não ser derrotada pelo Internacional.

"O clássico foi bem pegado, bem disputado. O Inter jogou melhor nos primeiros 15 minutos e começou a jogar mais no momento em que o Fábio Rochemback foi expulso. Até então, o jogo foi todo do Grêmio, e poderíamos ter matado no primeiro tempo, mas não matamos. Infelizmente nós tivemos alguns erros, tomamos aquele segundo gol. Você jogar um clássico com um homem a menos é difícil. Mas o Grêmio não se entregou, dei os parabéns ao time", disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.