Agustín Marcarian / Reuters
Agustín Marcarian / Reuters

Renato enumera elogios para o time do Grêmio, mas avisa: 'Temos mais 90 minutos'

Técnico afirma ter treinado muito a bola parada no dia anterior à vitória contra o River - o gol saiu em jogada do tipo

Estadão Conteúdo

24 Outubro 2018 | 08h58

Renato Gaúcho estava orgulhoso do time do Grêmio após a vitória por 1 a 0 sobre o River Plate, em Buenos Aires, no final da noite desta segunda-feira, no jogo de ida da semifinal da Copa Libertadores. Apesar da boa vantagem para o duelo de volta, em Porto Alegre, o técnico alertou seus jogadores já na entrevista coletiva no Monumental de Nuñez.

"Ainda no intervalo dei parabéns e acabamos coroados com o gol do Michel, que nos dá uma pequena vantagem, mas importante. Jogamos contra o River e 60 mil pessoas. Lá (em Porto Alegre) teremos a Arena lotada. Já falei aos jogadores. O Grêmio não está na outra fase, mais 90 minutos, mas não devemos menosprezar este resultado", afirmou o comandante.

Renato gostou da postura do time desde os primeiros minutos. Segundo o treinador, a equipe teve equilíbrio para não entrar na catimba do adversário. "O time soube jogar como é um jogo de Libertadores, os jogadores foram malandros o tempo todo, inteligentes. Viemos para competir. Às vezes só jogar, valorizar a posse de bola não são suficientes. Sabíamos que encontraríamos dificuldades. Nos portamos muito bem desde o início", ressaltou.

O treinador revelou que o gol de Michel, na segunda etapa, foi fruto de um trabalho intenso realizado na véspera da partida. "A equipe que jogou hoje eu trabalhei 40 minutos. Treinei muita bola parada, bola de cabeça, sabíamos que teríamos escanteio, falta e queria tirar proveito disso", disse.

No jogo de volta, em Porto Alegre, o Grêmio joga por um empate na próxima terça-feira, às 21h45, para obter a vaga na segunda final consecutiva da Libertadores. Antes, o time joga diante do Sport, também em seu estádio, no sábado, às 16h30, pelo Campeonato Brasileiro.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.