Reprodução/ SporTV
Reprodução/ SporTV

Mulher manda Renato Gaúcho fazer as malas e voltar para o Rio após ele 'ouvir coisas' no Grêmio

Treinador foi demitido após a eliminação na terceira fase preliminar da Copa Libertadores para o Independiente Del Valle, do Equador

Redação, Estadão Conteúdo

11 de maio de 2021 | 10h30

A saída do Grêmio, onde estava trabalhando desde 2016, após a eliminação na terceira fase preliminar da Copa Libertadores para o Independiente Del Valle, do Equador, em meados de abril, ainda é uma lembrança viva para o técnico Renato Gaúcho. Em entrevista ao SporTV na noite de segunda-feira, ele comentou sobre sua demissão do clube gaúcho após quase cinco anos no comando, com conquistas importantes.

"Muitas coisas foram faladas depois que o Grêmio foi eliminado do jogo da pré-Libertadores. Eu estava ainda me recuperando da covid-19 e ouvi certas coisas de uma pessoa no clube que não gostei. Não vale a pena comentar, mas eu não gostei. Aí eu fui dormir. No dia seguinte, tocou o telefone. Era a minha esposa. E ela falou assim: arruma as malas e vem embora. Todo ciclo tem um início, meio e fim", disse.

Apesar de Renato Gaúcho ter mostrado descontentamento com um membro do Grêmio, ele preferiu não citar o nome. "E aí me deu um estalo. Realmente, quatro anos e sete meses e eu não vou ficar aqui escutando umas coisas de uma pessoa que não faz nada pelo clube, não entende nada e fala um monte de besteira. Minha ficha caiu. E mais ou menos pela 1 hora (da tarde) o presidente me ligou. Eu falei: 'presidente, eu sei que vocês estavam em uma reunião, mas, independentemente da reunião, deixa eu falar uma coisa: eu já arrumei a minha mala'", contou.

"Estou indo embora porque eu acho que na vida as pessoas têm de ter respeito pelas outras. Principalmente ídolos. E no momento que você tem uma pessoa no clube que não faz nada, pelo contrário, atrapalha, eu não vou ficar batendo boca com ninguém. Estou de malas prontas. Ninguém vai mudar minha opinião, independentemente da de vocês. Já marquei minha passagem e estou indo embora. Eu sempre tive uma amizade, uma linha direta com o Romildo (Bolzan Júnior, presidente) nesse tempo todo."

Renato voltou para o Rio, como pediu sua mulher, e aguarda por novas ofertas de trabalho. Seu nome foi ventilado no Santos antes de o clube fechar com Fernando Diniz. Nesses últimos quatro anos, Renato Gaúcho tornou-se um treinador caro, que ajeita times, recupera jogadores, revela garoto e ganha compeonatos.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolGrêmioRenato Gaúcho

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.