Renato Gaúcho faz mistério e não diz se Dodô pega São Paulo

'Se quiserem saber qual time joga, basta esperar até 40 minutos antes do jogo', afirma o técnico do Fluminense

Leonardo Maia, O Estado de S. Paulo

12 de maio de 2008 | 19h40

Dodô começa jogando ou não contra o São Paulo? Essa é a principal questão em voga do Fluminense, às vésperas da primeira partida do confronto entre os tricolores paulista e carioca pelas quartas-de-final da Libertadores, quarta-feira, no Morumbi. "Esquema, formação, o time está pronto na minha cabeça. Se quiserem saber qual é, basta esperar até 40 minutos antes do jogo", diz o técnico Renato Gaúcho, sempre afeito a mistérios. O jogador, por sua vez, não pôde - ou não quis - colaborar. "Não sei se vou jogar, o Renato ainda não confirmou nada com ninguém", contou Dodô. "Mas estou plenamente preparado fisicamente, apesar de ainda não ter recuperado totalmente o ritmo de jogo", admitiu o atacante, que ficou quase dois meses inativo por conta de uma fratura na face. Independentemente da formação que Renato mande a campo, Dodô opina que o melhor para o Fluminense será manter seu estilo (ofensivo) de jogo. "Vamos enfrentar uma equipe muito forte, mas acho que o mais importante vai ser a gente manter nossa forma de atuar. Não adianta mudar só porque vamos encarar o São Paulo." Dodô, por sinal, vive uma semana ainda mais nervosa e angustiante do que experimentam seus companheiros de clube, com a possibilidade do título continental se aproximando. O artilheiro será julgado na próxima semana, na Suíça, no caso de doping que o deixou de fora de parte do Brasileiro do ano passado. Ele viaja nesta sexta-feira e deverá chegar ao Rio apenas no dia da segunda partida, quarta, dia 21, o que torna improvável que esteja disponível para o jogo decisivo. "Uma quarta-de-final de Libertadores é um jogo sempre importante, mas para mim carrega uma dose extra", disse. "Confio que vou ser absolvido, mas não sei o que será de mim depois do jogo, por isso só estou pensando no São Paulo. Vou deixar para me preocupar depois." Tal fato só faz aumentar a expectativa de bastidores de que o atacante estará entre os onze titulares de Renato na quarta-feira. Mas o técnico tricolor, claro, não vive esta dúvida e está mais preocupado com um dos atacantes rivais, Adriano. Não é segredo para ninguém que a principal jogada dos são-paulinos é a bola aérea, principalmente para as conclusões do centroavante. "Vamos tentar marcá-lo ao máximo, mas não é só ele que faz gols no São Paulo", ponderou Renato. "As bolas paradas são a maior arma deles; o ideal é evitar as faltas próximas à nossa área. Mas também somos fortes nesse aspecto. Vamos ver quem se dará melhor."

Tudo o que sabemos sobre:
FluminenseDodô

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.