Renato Gaúcho faz mistério e pede 'ânimo' ao Fluminense

Técnico desiste de jogar com três atacantes depois de ser eliminado na semifinal da Taça Guanabara

Agência Estado

27 de fevereiro de 2008 | 18h54

Renato Gaúcho disfarça. O treinador diz não saber a escalação do Fluminense para a estréia na Taça Rio contra a Cabofriense, sábado, no Maracanã. Na realidade, o técnico quer manter os jogadores motivados com a alteração do esquema para o tradicional 4-4-2, depois do fracasso na Taça Guanabara. "Peço aos meus jogadores que não desanimem. Ninguém discute as qualidades do Dodô, Washington e Leandro, mas o futebol não permite atuar com três atacantes com características parecidas", diz Renato, mudando o discurso do início do ano. "Por mim, jogaria com quatro na frente, desde que eles saibam jogar pelo lado do campo." Todos nas Laranjeiras, porém, sabem que Dodô virou reserva. "Hoje, ele pode não jogar, mas tem que estar pronto", admite o treinador em referência ao atacante. Com isso, já circulam pelo clube especulações de trocas e negociações envolvendo Dodô. O Atlético-MG teria demonstrado interesse no jogador, mas o coordenador de Futebol do Fluminense, Branco, vetou veementemente qualquer possibilidade de negócio. "O Dodô é muito importante e não vai deixar o clube. Ele não está insatisfeito aqui."

Tudo o que sabemos sobre:
FluminenseEstadual do Rio

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.