PABLO PORCIUNCULA / AFP
PABLO PORCIUNCULA / AFP

Renato Gaúcho despista sobre futuro após derrota do Flamengo na final da Libertadores

Equipe carioca foi superada pelo Palmeiras por 2 a 1 e ficou com o vice-campeonato da competição continental

João Nicodemus, Especial para a AE

27 de novembro de 2021 | 22h20

O técnico Renato Gaúcho, do Flamengo, criticou a mentalidade com que se trata o vice-campeão no futebol brasileiro. Derrotado pelo Palmeiras na final da Copa Libertadores neste sábado, o treinador afirmou que “no Brasil só é bom quem ganha” e ressaltou que um dos dois times teria que perder na decisão.

“Nós estamos tristes, o torcedor tá triste. Infelizmente no Brasil só é bom quem ganha. Se hoje o Flamengo tivesse ganhado, estariam perguntando se eu ia renovar para o ano que vem. Aí não ganhou, ninguém é bom. Eu já estou vacinado contra isso. Todo mundo vai criticar, as pessoas não levam em consideração. Não vai mudar. No Brasil, só é bom quem ganha. Eu espero que algum dia isso melhore, mas acho muito difícil”, afirmou Renato Gaúcho.

Muito pressionado pelo desempenho nesta reta final de temporada, o treinador não comentou se seguirá no comando do Flamengo. Renato Gaúcho exaltou o grupo comandado por ele e amenizou o resultado adverso diante dos altos investimos do time para a temporada.

“Nessas horas é até difícil falar. Eu tenho contrato até dia 30 e a decisão é da diretoria do Flamengo. Na vida, você vai ganhar, você vai perder. Todos os clubes buscam fazer investimentos para ter títulos. Infelizmente, não conseguimos dar o título nas últimas competições, mas este é um grupo vencedor. Não vai ganhar tudo, até porque os adversários também querem ganhar”, continuou.

O treinador também lembrou da sequência apertada de jogos que o Flamengo teve pela frente nos últimos meses e tentou tirar a pressão dos ombros de Andreas Pereira, que falhou no lance do gol do título palmeirense, já na prorrogação.

“Ninguém vai levar em consideração que, nos últimos meses, o Flamengo disputou três competições, com vários jogadores no departamento médico e a cobrança era vencer, vencer, vencer. Cobrança muito grande, jogando para recuperar todos jogadores para esta final. Conseguimos, mas não conseguimos o título. Não faltou luta, nem entrega. Tudo que poderíamos ter feito, a gente fez. Final são detalhes. Não vamos culpar o Andreas, só erra quem está lá dentro. Se alguém é culpado aqui, sou eu”, finalizou Renato.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.