Lucas Uebel / Grêmio FBPA
Lucas Uebel / Grêmio FBPA

Renato Gaúcho lamenta derrota e diz que Grêmio 'não largou o Brasileiro'

"A decisão é minha e o Grêmio vai enfrentar, sim, determinados jogos com a equipe que jogamos aqui hoje"

Estadão Conteúdo

29 de abril de 2018 | 09h38

Como aconteceu em boa parte do Brasileirão de 2017, o técnico Renato Gaúcho voltou a escalar os reservas no sábado, contra o Botafogo, preocupado com jogo da Copa Libertadores. A medida, que preocupou a torcida e gerou críticas ao treinador, foi defendida por ele ao fim da derrota para o time carioca por 2 a 1, no Engenhão. "Não largamos o Brasileiro", garantiu o técnico.

+ Confira a classificação do Campeonato Brasileiro

"A decisão é minha e o Grêmio vai enfrentar, sim, determinados jogos com a equipe que jogamos aqui hoje. É a última vez que eu explico por que o Grêmio está jogando com uma equipe alternativa. Não largamos o Brasileiro. Estamos na terceira rodada e temos quatro pontos, com dois jogos fora de casa. O Grêmio está bem demais", declarou o treinador.

"Vocês querem o quê? Jogar com o mesmo time três vezes em nove dias? Só para quem não entende de futebol. Hoje, se alguém é exemplo para o futebol brasileiro é o Grêmio. O que me aborrece é a pessoa dizer que o Grêmio deixou o Brasileirão de lado. Então todos os treinadores do Brasil são burros, porque todos vão poupar no Brasileiro."

Para Renato Gaúcho, o ato de preservar os titulares será inevitável em razão das disputas simultâneas da Copa do Brasil e da Libertadores. "Fica impossível ganhar a Copa do Brasil e a Libertadores se colocar a mesma equipe. Ano passado, não conseguimos algumas vitórias porque jogamos com sete ou oito da transição. Em alguns jogos, nem os reservas imediatos, porque tinha 11 ou 12 jogadores no departamento médico", afirmou.

No Engenhão, o treinador contou com apenas um titular em campo, o atacante Luan. Ao fim da partida, Renato Gaúcho justificou a escalação. "Luan é um jogador que ficou fora de alguns jogos. Ele vinha descansado, enquanto os outros vinham numa correria. Ele pediu para jogar. Jogou por isso, porque alguns jogos ele não pôde jogar porque estava machucado", explicou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.