Rodrigo Rodrigues/Grêmio
Rodrigo Rodrigues/Grêmio

Renato Gaúcho lamenta tragédia no Flamengo e Vizeu se emociona: 'Muito triste'

Léo Moura, outro ex-jogador do Flamengo, também ficou abalado com o ocorrido

Redação, Estadão Conteúdo

08 de fevereiro de 2019 | 14h57

A tragédia ocorrida no CT do Flamengo nesta sexta-feira deixou todo o futebol brasileiro de luto. No Grêmio, o técnico Renato Gaúcho, ex-jogador do clube carioca, se pronunciou sobre o assunto e lamentou o incêndio no Ninho do Urubu que deixou 10 mortos, além de três feridos.

"Queria dar meus sentimentos às famílias dessa tragédia no CT do Flamengo. Para o futebol, é muito triste, muito triste mesmo. Não adianta ficar aqui falando várias palavras para as famílias, porque nesta hora é difícil consolar. Fica aqui meu sentimento. Sempre torcemos para que esse tipo de tragédia não aconteça mais no Brasil e no mundo", declarou.

Renato revelou que conversou com outro ex-flamenguista do elenco gremista, o lateral-direito Leonardo Moura, e que se emocionou com a notícia. "Não tem como não conversar sobre essa tragédia. Cheguei cedo no CT hoje, falei com o Léo Moura. Infelizmente, são coisas que nos chocam bastante. Imagino, então, estes familiares. É difícil achar as palavras certas."

Nas primeiras horas desta sexta, um incêndio tomou conta do alojamento do CT flamenguista, onde dormiam diversos jovens das categorias de base do clube. O Corpo de Bombeiros foi acionado por volta das 5 horas e as chamas foram controladas às 7h20. Dez pessoas, entre atletas e funcionários, morreram e outras três foram encaminhadas ao hospital.

A tragédia também abalou o atacante gremista Felipe Vizeu. Criado nas divisões de base do Flamengo, onde atuou até o ano passado, o jogador lembrou que viveu por anos neste mesmo alojamento que pegou fogo e não segurou o choro ao realizar pronunciamento nesta sexta.

"É triste, primeiramente. Difícil, porque vivi muito tempo lá. Estou emocionado. Sei do sonho que a gente tem, de menino, de chegar aos profissionais. Ficamos longe dos familiares... Quando se tenta e não consegue realizar o sonho, tem a frustração, mas ser interrompido assim é difícil. Morei muito tempo no mesmo lugar, sempre vivi muito bem. É lamentável. Desejo muita força às famílias, sabemos da dificuldade que é perder um ente querido, ainda mais um filho que está em busca do sonho. É muita tristeza. Não é só o clube, é o futebol", comentou.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

  • Fernando Torres se despede do futebol no Japão em jogo contra Iniesta e Villa
  • Torcedores do PSG não querem mais Neymar em Paris
  • Merecido! Sampaio Basquete conquista o bicampeonato da LBF
  • Podcast: personalidades do esporte analisam a situação do futebol no Brasil
  • Bruno Henrique vibra com gols no Maracanã: 'Semana mais feliz da minha vida'

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.