Lucas Uebel / Grêmio FBPA
Lucas Uebel / Grêmio FBPA

Renato Gaúcho vê empate com Atlético-GO como teste antes de final da Libertadores

Jogo decisivo com o Lanús será nesta quarta-feira, na Argentina

Estadão Conteúdo

27 Novembro 2017 | 08h50

O empate do Grêmio com o Atlético Goianiense por 1 a 1, em Porto Alegre, pela 37.ª rodada do Campeonato Brasileiro, foi praticamente ignorado pelo técnico Renato Gaúcho neste domingo, logo após o fim da partida. Mesmo com o tropeço, a equipe tricolor gaúcha - que atuou com reservas - ainda manteve temporariamente a vice-liderança do Nacional.

+ Confira o noticiário sobre a decisão da Libertadores

Com 62 pontos, o time porto-alegrense pode perder a posição em caso de vitória do Palmeiras - que tem 60 - sobre o Botafogo, nesta segunda, no Allianz Parque, em São Paulo, no duelo que fecha a penúltima rodada da competição.

Na entrevista coletiva pós-jogo, Renato voltou a frisar que o objetivo principal é preparar o grupo gremista para a grande final da Copa Libertadores, na próxima quarta, diante do Lanús, na Argentina. Para o treinador, a partida deste domingo serviu como uma oportunidade de observação de jogadores visando a decisão da competição continental e a temporada de 2018.

"A gente sempre dá chance para os garotos, para ver o que pode ser aproveitado para o ano que vem, e o ritmo de jogo para alguns dos nossos. Acho que o mais importante (foi) para os que não vinham jogando buscar o ritmo de jogo, porque sabe como é, né? Nunca se sabe o que pode acontecer na quarta-feira", disse Renato Gaúcho em entrevista coletiva neste domingo, após a partida.

O técnico também demonstrou pouca esperança em ter o zagueiro Kannemann, advertido com um cartão amarelo na primeira partida contra o Lanús, quarta passada, na Arena Grêmio, que terminou com a vitória do time brasileiro por 1 a 0 -, mesmo depois de a diretoria ter enviado ofício à Conmebol para tentar anular a punição.

Renato projeta utilizar Bressan na ausência do titular. "É um trabalho que a diretoria está fazendo com o presidente e com os advogados. Eu não acredito muito, não. A gente não tem que ficar trabalhando em cima do problema. A gente tem que trabalhar em cima da resposta que a gente vai ter. E temos que ter o plano B. Se acontecer, se não acontecer, o time do Grêmio está preparado", enfatizou Renato Gaúcho.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.