Renato vê evolução do Santos, mas diz que time não pode mais perder pontos

Com cinco empates em sete jogos, o time paulista está na zona intermediária da tabela do Brasileirão

Fernando Faro, O Estado de S. Paulo

25 de maio de 2014 | 19h21

SÃO PAULO - Não foram todos que deixaram o Morumbi insatisfeitos após o fraco empate em 0 a 0 entre Santos e Flamengo, neste domingo. Para Renato, o time alvinegro mostrou sinais de evolução mesmo tendo tido escassas oportunidades de gol. O jogador, de volta à Vila Belmiro, viu a equipe santista criando mais do que nos últimos jogos.

"Se tivéssemos feito o gol seria outra história. O bom é que pelo menos o time está criando, se não criasse aí sim seria mais preocupante. No final a gente lutou para conseguir a vitória, mas não deu", afirmou o jogador, que teve atuação discreta.

A situação do Santos deve ficar ainda mais difícil com a iminente saída de Cícero, que pediu para não jogar porque quer deixar o clube. O Fluminense é o favorito para ficar com o jogador, mas existem outros interessados, como o Cruzeiro. Com cinco empates em sete jogos, o time está no bloco intermediário e luta para não se desgarrar demais dos primeiros colocados.

Para Renato, o Santos não pode mais desperdiçar pontos como aconteceu no Morumbi se quiser aspirar a algum objetivo no Brasileirão. O jogador, no entanto, acredita que é possível chegar na parada para a Copa do Mundo em uma boa colocação caso o time volte a vencer. "Em casa nós temos que somar pontos, esse é o diferencial do Brasileirão. Agora temos que somar seis pontos nos dois próximos jogos antes da parada para não desgrudar dos times lá da frente", projetou o camisa 35.

O Santos enfrenta Bahia e Criciúma antes da pausa para o Mundial. O jogo contra os baianos acontece nesta quinta-feira, às 21 horas, no estádio Joia da Princesa, em Feira de Santana (BA).

Tudo o que sabemos sobre:
futebolBrasileirãoSantos FCRenato

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.