Renda do "jogo da morte" tem destino certo

O grande número de torcedores esperados no jogo de domingo, contra o Fortaleza, pela última rodada do Campeonato Brasileiro, no já denominado "Jogo da Morte", fará com que os funcionários do clube tenham um natal mais alegre. Todo o dinheiro arrecadado servirá para pagar parte dos salários atrasados desde novembro de 60 pessoas.O presidente Sérgio Carnielli assinou o Termo de Compromisso de Ajustamento de Conduta na terça-feira na sede da Procuradoria Regional do Trabalho da 15ª Região de Campinas. Esse acordo exige que o time de Campinas quite o montante da dívida até às 12 horas da próxima segunda-feira. O valor gira em torno de R$ 65 mil.Indo ainda mais longe, o dirigente pontepretano se comprometeu a efetuar o pagamento do 13º salário dos funcionários até o dia 30 de janeiro de 2004. A quantia a ser paga pelo clube campineiro é de cerca de R$ 40 mil.O acordo aconteceu após os funcionários do clube terem aberto um processo impetrado pelo Sindicato dos Empregados de Clubes Esportivos do Estado de São Paulo (Sindesporte) pedindo, além da quitação dos salários, o pagamento também do 13º salário do ano passado, que ainda não foi pago.A expectativa da diretoria é da venda total dos 18.500 ingressos, sendo 17.200 ao preço promocional de R$ 5. Dirigentes e jogadores estão convocando a torcida para este jogo decisivo em termos de rebaixamento para a Série B. A Ponte é vice-lanterna com 47 pontos e para escapar do descenso precisa vencer o Fortaleza, com 49 pontos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.