Renê quer mais reforços para a Lusa

Duas derrotas consecutivas no Campeonato Paulista e especialmente a goleada sofrida no jogo contra o Santos, no sábado, podem ter conseqüências muito maiores do que a simples mudança de goleiro no time da Portuguesa. O técnico Renê Simões admitiu ter detectado vários problemas na equipe, tanto em termos de posicionamento em campo quanto na composição do elenco, e promete conversar nos próximos dias com os dirigentes do clube em busca de soluções. O efeito imediato da derrota foi contratação de Carlos Germano. O goleiro apresenta-se nesta quarta-feira, durante a festa que celebra o acordo com o novo patrocinador, a cervejaria Schincariol. Com experiência de seleção brasileira, o goleiro chega ao clube para ser titular. Pior para Fabiano que, depois de cometer uma falha no primeiro gol do clássico contra o Santos (a Lusa perdeu por 4 a 0), recebeu do técnico Renê Simões a notícia de que passaria a ser o terceiro goleiro, abaixo de Marcelo Moretto. Honestidade - Apesar de aborrecido, Fabiano não mostrou revolta. Segundo o jogador, o técnico comunicou-lhe pessoalmente a decisão e explicou os critérios que o levaram a tomá-la. "Só tenho de elogiar o treinador porque ele foi bastante honesto e assumiu seus atos", disse o goleiro, que, garante, vai cumprir seu contrato com a Lusa até o fim e fazer de tudo para recuperar a vaga de titular. Fabiano ressalta, no entanto, que um novo goleiro não será a solução dos problemas da equipe. "Não vai ser porque o Carlos Germano chegou que a Portuguesa vai ser campeã. O time só vai ser vencedor se o grupo todo for forte", arrematou. Renê mostrou ter o mesmo ponto de vista. "Com todos os problemas de cartão amarelo que venho enfrentando, confesso que tenho estudado a possibilidade de reforçar o grupo." Como primeira iniciativa, o técnico pediu à diretoria que defina o quanto antes a renovação de contrato de Emerson. Enquanto negocia, o zagueiro recupera-se de uma contusão no pé. Carlos Germano foi elogiado pelo treinador tanto como ser humano quanto como profissional. Renê lembrou que foi ele o responsável pela primeira convocação do goleiro para uma seleção brasileira, ainda nas categorias de base, em 1987. O treinador afirmou que acreditava na contratação do atleta no começo do ano. Mas chegou a ter suas esperanças reduzidas por causa da pendência financeira entre Carlos Germano e o Santos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.