Renê Simões divulga carta à torcida do Coritiba

Técnico usa forma inusitada para acalmar torcida após vaias em derrota para o Santo André, no sábado

22 de outubro de 2007 | 19h20

Preocupado com as vaias da torcida do Coritiba contra o volante Túlio, ocorridas na vitória apertada sobre o Santo André, por 2 a 1, sábado, no Estádio Couto Pereira, o técnico Renê Simões tomou uma atitude diferente. Nesta segunda-feira ele divulgou uma carta à imprensa endereçada à torcida do Coritiba.Neste documento, ele usa algumas parábolas, a principal delas que "nem sempre uma mulher bonita se torna uma bela esposa". E explica que o seu time, líder absoluto da Série B do Campeonato Brasileiro, com 58 pontos, "não pode somente mostrar um futebol plástico, porque precisa somar pontos numa competição extremamente difícil e equilibrada".  Simões cita ainda a "química" necessária para unir jogadores técnicos e menos capacitados para se ter um time vencedor. Fala ainda da dificuldade de se exigir "modernidade" dos jogadores, para que os atacantes possam também ajudar na marcação e os defensores ajudar no ataque. "É difícil você mudar esse chip no profissional, porque não há um trabalho neste sentido nas categorias de base". Em defesa de seus jogadores, Simões lembrou da dedicação de todos para recolocar o time na elite nacional, superando as dificuldades e o assédio natural gerado pelo esquema profissional. Mas lembrou que seu grupo está motivado, concluindo que "hoje há no Coritiba uma junção de vários fatores que o colocam na condição se atingir seu objetivo". Para ele, o time está consciente da responsabilidade e tem o apoio de sua torcida, que tem feito do Couto Pereira um verdadeiro caldeirão.  No final, porém, o técnico alerta: "Andamos 20 mil metros de uma maratona de 40 mil metros. Portanto, nós precisamos trabalhar duro até o final dos últimos sete jogos que teremos pela frente". Apesar de tudo, as estatísticas são favoráveis ao Coritiba, que tem 62% de aproveitamento e 99% de chances de voltar à Série A, em 2008.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.