Renovada, Ponte Preta encara o Bahia e quer voltar a vencer no Moisés Lucarelli

Equipe campineira não ganha há três jogos no Brasileirão

Estadão Conteúdo

12 de julho de 2017 | 06h20

Há três jogos sem vencer, a Ponte Preta acendeu o sinal amarelo. O time ganhou apenas um ponto em nove disputados nas últimas três rodadas, o que tornou imperativo vencer o Bahia, nesta quarta-feira, às 19h30, no estádio Moisés Lucarelli, em Campinas (SP), pela 13.ª rodada do Campeonato Brasileiro. A equipe vai ter várias mudanças e os jogadores até lavaram a roupa suja no último treino antes deste duelo.

Tanto o elenco como a comissão técnica minimizaram a reunião entre eles antes do treino tático desta terça-feira. Na verdade, há uma cobrança geral porque existe a necessidade de se pontuar. Estacionada em 15 pontos, o time paulista ocupa a 13.ª posição. Perdeu na última rodada para o Corinthians, em São Paulo, e antes empatou fora sem gols com o Avaí e perdeu em casa para o Palmeiras.

A receita para a reação, segundo o técnico Gilson Kleina, "é a doação de todos. Se cada jogador der um pouquinho a mais de esforço, com certeza o grupo vai ficar mais forte". Além disso, a Ponte Preta vai ter o apoio de sua torcida. O time se comporta bem em casa, onde venceu pela última vez no dia 22 de junho - 1 a 0 no Cruzeiro. No estádio Moisés Lucarelli também conquistou as outras três vitórias - sobre Sport (4 a 0), Chapecoense (3 a 2) e São Paulo (1 a 0).

Algumas mudanças já eram esperadas. Kadu entra na defesa no lugar de Rodrigo, suspenso por quatro jogos por sua expulsão diante do Palmeiras. No meio de campo, o volante Wendel ganha a posição de Elton para reforçar a marcação ao lado de Fernando Bob e Jadson.

A ausência do meia Renato Cajá, suspenso por dois jogos e que só cumpriu a automática, também por expulsão diante do Palmeiras, pode ser suprida pelo meia Léo Artur. Ou então pelo atacante Claudinho, que formaria a linha ofensiva ao lado de Lucca e Emerson Sheik.

O departamento jurídico até tentou o efeito suspensivo de Rodrigo e Renato Cajá, mas sem otimismo em êxito. Tanto que o time vai ter novidades no banco de reservas. Uma delas é o meia Xuxa, contratado junto ao Mirassol, que ainda não atuou no Brasileirão porque estava machucado. Outra é o volante Jean Patrick, ex-Luverdense, que veio do Albirex Niigata, lanterna na J-League (Japão).

Além do jovem atacante Yuri, de 19 anos, que vinha treinando com o profissional, mas foi devolvido à base. Daí deu a volta por cima ao marcar cinco gols em dois jogos. Por méritos, está de novo no banco de reservas. Ele é muito querido pela torcida desde que se destacou na última Copa São Paulo de Futebol Júnior, em que marcou nove gols.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.