Célio Messias/Estadão
Célio Messias/Estadão

Reservas de Muricy fazem São Paulo chegar embalado à fase decisiva

Time tricolor encara o Penapolense nas quartas de final do Paulistão

Fernando Faro, O Estado de S.Paulo

23 de março de 2014 | 18h09

SÃO PAULO - Se em termos de classificação o confronto entre Botafogo e São Paulo nada valia, ao menos o Tricolor do Morumbi entrará na fase mata-mata embalado. Mesmo com os reservas, o time não teve dificuldade para vencer por 2 a 0 e se despedir da fase de grupos com uma vitória.

Como a partida não interferia na vida de ninguém, Muricy Ramalho pôde dar oportunidade aos suplentes para eles mostrarem serviço de olho na continuidade no restante da temporada. Com a falta de entrosamento normal para um grupo que pouco joga junto, o que se esperava era ao menos disposição para superar as dificuldades.

O JOGO

O treinador voltou a apostar no 3-5-2 'mutante' que se modificava para o 4-4-2 quando a equipe tinha a bola. Paulo Miranda foi o curinga do setor, mas não encontrou respaldo em um opaco Luis Ricardo para atacar; a solução foi apostar em Reinaldo, que mesmo errando mais do que de costume ao menos teve mais disposição.

Durante a semana, Ademilson e João Schmidt chegaram a dizer que o jogo poderia determinar o futuro no clube e a dupla mostrou que levou a sério o discurso. O volante enfim mostrou o potencial que dele se espera e foi o motor no meio-campo com roubadas de bola e boa distribuição das jogadas.

O atacante, apesar de suas dificuldades na frente do goleiro, esteve envolvido nos dois gols: primeiro, em bela assistência para Lucas Evangelista marcar de cabeça, aos 42 do primeiro tempo. Na segunda etapa, precisou de duas chances para deixar o dele, mas quando o fez, mostrou categoria incomum.

Em que pese o desinteresse dos donos da casa em jogar por já ter a liderança assegurada no Grupo B, o Tricolor comandou as ações durante praticamente todo o confronto e Denis sequer precisou sujar os uniformes. Nas vezes em que investiu contra o rival, não conseguiu superar Edson Silva e Lucas Silva, que atuaram com serenidade.

NOVIDADES

Como construiu o placar sem maiores dificuldades, Muricy ainda teve a oportunidade de lançar algumas substituições às quais não está acostumado. Boschilia e Cañete, raramente aproveitados, entraram no lugar dos inoperantes Luis Ricardo e Ewandro, que não aproveitaram a chance.

Se não valeu para melhorar a colocação do Tricolor na tabela, ao menos alguns reservas do São Paulo mostraram alguma qualidade e ganharam pontos com o treinador. É um começo. Já os botafoguenses não saíram tristes e comemoraram o rebaixamento do rival Comercial para a Série A-2 do Paulista.

FICHA TÉCNICA

BOTAFOGO-SP 0 x 2 SÃO PAULO

BOTAFOGO-SP - Renan, Alex Silva, Rafael Caldeira (Camilo), Henrique Mattos e Augusto Ramos; Carlos Henrique, Afonso, Léo (Felipe) e Vitor (Sergio Mota); Borebi e Diogo. Técnico - Vagner Lopes.

SÃO PAULO - Rogério Ceni, Paulo Miranda, Lucas Silva e Edson Silva; Luis Ricardo (Cañete), Wellington, João Schmidt, Lucas Evangelista e Reinaldo; Ewandro ( Boschilia) e Ademilson. Técnico - Muricy Ramalho.

GOLS - Lucas Evangelista, aos 42 do primeiro tempo, e Ademilson, aos 17 do segundo tempo.

JUIZ - Rodrigo Ferreira do Amaral.

CARTÕES AMARELOS - Diogo, Alex Silva, Augusto Ramos (Botafogo-SP), Paulo Miranda e Lucas Evangelista (São Paulo).

PÚBLICO - 6.934 pagantes.

LOCAL - Estádio Santa Cruz (Ribeirão Preto).

GOLS - Lucas Evangelista, aos 42 do primeiro tempo, e Ademilson, aos 17 do segundo tempo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.