Reservas do Brasil são do nível da Croácia, diz Parreira

O técnico da seleção brasileira, Carlos Alberto Parreira, enalteceu nesta terça-feira o alto nível técnico de seu grupo e disse que os reservas do Brasil estão no mesmo nível da seleção da Croácia, adversária desta terça-feira, em Berlim, no jogo de estréia da Copa do Mundo."É bom a gente perceber que o Brasil não tem apenas 11 jogadores. A gente tem banco e isso é muito importante na Copa", afirmou o treinador, que diz acreditar que o time reserva do Brasil, com jogadores como Robinho e Juninho Pernambucano, é superior a muitas seleções que disputam o Mundial da Alemanha.Após o rachão desta segunda-feira, que serviu para fazer o reconhecimento do gramado do Estádio Olímpico de Berlim, Parreira reafirmou a importância de vencer na estréia e disse que o Brasil, embora seja considerado o grande favorito, não tem a obrigação de vencer a Copa."Nós temos a obrigação de fazer o melhor. Quem tem obrigação de ganhar é o time da casa", afirmou, em referência não somente à Alemanha, mas às principais seleções européias. "Aqui é tudo perto, o pessoal vem de bicicleta torcer. Todos os europeus estão em casa."Falta da mãeEstá é a sétima Copa da carreira de Carlos Alberto Parreira, mas a primeira depois da morte de sua mãe, Geni, em novembro do ano passado. O treinador admitiu que sente saudades de sua maior torcedora, para quem sempre costumava telefonar, às vezes ainda nos vestiários, antes e depois dos jogos."Eu sempre tinha que ligar e falar para ela que estava tudo bem. Com certeza eu vou sentir muita falta disso", afirmou o treinador, que disse ter pensado muito em sua mãe nos últimos dias e que levou fotos dela para a Alemanha. "Ela estava sempre do meu lado, me incentivando, me apoiando", contou.Parreira afirmou que deixará as horas anteriores da partida apenas para levar palavras de incentivo e motivação aos jogadores. As informações a respeito da Croácia, com vídeos e análise tática, serão passadas na noite desta segunda-feira, no hotel da seleção em Berlim.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.