Resignado, Rojas segue no São Paulo

Roberto Rojas afirmou, pela primeira vez de maneira clara e direta, que aceitará permanecer no São Paulo como preparador de goleiros. Embora tenha ficado bastante aborrecido com a saída do comando, acredita que a melhor decisão para sua carreira seja permanecer no clube. Até porque não recebeu nenhuma proposta melhor. O chileno declarou, em entrevista à Rádio Globo, que "não tomou gosto pelo cargo de treinador".Mas, como conseguiu classificar a equipe para a Libertadores, gostaria de permanecer como técnico, revelaram fontes do Morumbi. Rojas ficou tão irritado que nem sequer apareceu nos últimos eventos promovidos pelo São Paulo. Sua atitude não foi vista com bons olhos pela diretoria.Mesmo assim, em nenhum momento a cúpula tricolor cogitou dispensá-lo. "Ele volta a ser preparador de goleiros, não precisamos fazer um novo contrato, pois o Rojas tem vínculo trabalhista conosco", comentou Juvenal Juvêncio, diretor de Futebol.O ex-goleiro, no entanto, terá de conviver com drástica redução em seus vencimentos. Recebia, como treinador, R$ 28 mil mensais. O salário era de R$ 10 mil, mas vinha com bônus de R$ 18 mil. Esses R$ 18 mil serão retirados, mas o clube deve lhe dar aumento de cerca de R$ 5 mil. Com isso, faturará R$ 15 mil por mês. "Faço votos de que o Cuca acerte e, se o São Paulo o acha bom, ótimo. Sou um índio em uma tribo onde há um cacique. Agora penso em ajudar o treinador", disse. "Com todas as dificuldades, o trabalho foi bom. Não conseguimos repetir a mesma formação em quatro jogos, oscilamos, mas fizemos o melhor pelo São Paulo."Patrocínio - O clube pode, nesta sexta-feira, definir seu patrocinador para 2004. A LG, que oferece R$ 9 milhões anuais, aparece com favoritismo, mas a Siemens, que fechou com o Cruzeiro e negocia com o Vasco, também está na briga.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.