Wilton Junior|Estadão
  Wilton Junior|Estadão

  Wilton Junior|Estadão

Responsável por 156 mil empregos, futebol brasileiro tenta se blindar contra a crise

Clubes fazem esforço para proteger funcionários mais simples das demissões causadas pela pandemia do novo coronavírus

Ciro Campos , O Estado de S.Paulo

Atualizado

  Wilton Junior|Estadão

Os cuidadores de gramado Francisco Almeida, funcionário do Fortaleza, e Reinaldo Gomes, do Bahia, ficaram preocupados quando a pandemia do novo coronavírus paralisou o futebol brasileiro e forçou os clubes a diminuírem despesas. Juntos, os dois sustentam oito pessoas e compõem uma parcela numerosa do mercado de trabalho. Se a modalidade parece se resumir a jogadores, técnicos e altos salários, na verdade se trata de um segmento que emprega 156 mil pessoas no País, segundo estudo publicado da CBF.

A pesquisa divulgada no ano passado e feita pela empresa Ernst & Young mostra que o futebol brasileiro em 2018 teve impacto de 0,72% no PIB nacional, ao movimentar R$ 52,9 bilhões. Embora existam salários milionários no meio, a modalidade conta com uma turma bem mais humilde. Para cada jogador empregado, há uma série de outros trabalhadores que também dependem do funcionamento dos times para garantir o sustento das famílias.

Enquanto negociam com os elencos para reduzir salários e evitar prejuízos durante a pandemia, os clubes demonstram preocupação justamente com funcionários mais simples. Quem trabalha nos times profissionais seja na jardinagem, lavanderia, cozinha ou limpeza têm recebido atenção especial para não terem os empregos colocados em risco em uma época de queda brusca de receitas com bilheteria, cotas de televisão e patrocínios.

"Como um grupo de funcionários classificados como mais humildes temia pela descontinuidade de seus empregos com a parada involuntária das suas atividades e das competições, resolvemos blindar e proteger em especial, esses colaboradores", disse ao Estado o diretor administrativo do Fortaleza, Gildo Ferreira. A equipe vai reduzir os salários do elenco em até 25% durante a pandemia. O Atlético-MG teve atitude parecida, ao diminuir 25% dos salários de todos, exceto de quem ganha até R$ 5 mil.

O Fortaleza criou um programa chamado Rede de Proteção ao Funcionário e se propôs a ajudar os empregados que têm salários mais baixos. "O saldo de estoque de produtos alimentícios do clube que não seriam utilizados com a parada do futebol, foi transformado em cestas para serem distribuídas com nossos colaboradores, para evitar desperdício", explicou o diretor do clube.

Por isso que o cuidador do gramado do CT do Fortaleza, Francisco Almeida, de 37 anos, ficou mais tranquilo quando soube que o elenco do clube aceitou receber menos. "A partir do momento que o elenco se coloca nessa posição de reduzir o deles para preservar os funcionários mostra também que o clube não é só o jogo em si, mas também uma equipe que faz tudo isso acontecer. Imensa gratidão por essa atitude", disse. Funcionário do clube há 19 anos, ele sustenta três pessoas com o salário.  

Colega de profissão dele, Reinaldo Gomes trabalha no Bahia há 20 anos e até foi homenageado na inauguração do CT da equipe em janeiro deste ano. "É ruim ficar parado porque não tem mais jogo. Gosto de participar do futebol e de arrumar o gramado para o time. Mas o importante é manter o emprego mesmo nessa época, porque cinco pessoas da minha família dependem de mim", disse.

Segundo o estudo da CBF, os funcionários de clubes de futebol representam 33% dos 156 mil empregos gerados pela modalidade no Brasil. A maior parcela da força de trabalho, 55% do total, atua em estádios em dias de jogos principalmente na venda de alimentos e bebidas. Esse contingente aguarda o calendário ser retomado para poder voltar a trabalhar.

"O futebol eu costumo falar que é a maior empresa do mundo, porque tem em todos os países e tem milhares de pessoas que vivem dele ao redor do mundo", brincou o supervisor de futebol do Atlético-GO, Junior Murtosa. Há 15 anos no clube, ele coordena uma equipe de mais de 130 funcionários. "Para um time entrar em campo, precisa desde a comida ser preparada, do uniforme estar lavado até a manutenção do hotel do time estar bem feita", completou.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Torcida do Bahia faz campanha para socorrer vendedores ambulantes do estádio

Vaquinha virtual para trabalhadores da Fonte Nova serve como amparo para o período de quarentena

Ciro Campos, O Estado de S.Paulo

05 de abril de 2020 | 04h30

O coletivo de torcedores do Bahia Frente Esquadrão Popular se mobilizou na última semana para tentar socorrer os vendedores ambulantes que trabalham nos jogos do time na Fonte Nova. Com uma vaquinha virtual, o grupo pretende arrecadar R$ 4 mil para ser distribuídos entre pessoas que não terão onde atuar durante a paralisação do calendário pela pandemia do novo coronavírus.

Os comerciantes informais não são funcionários do Bahia e representam uma parcela numerosa de trabalhadores que dependem do futebol estar em atividade. Os dois principais símbolos da campanha são Evandro Baleiro e Robgol do Sorvete, figuras conhecidas por quem frequenta o estádio e gosta de ver as partidas enquanto consome um picolé ou um chocolate. A ação ganhou o apelido entre os torcedores locais de "fiado invertido".

Um dos idealizadores da ideia foi o defensor público Gabriel dos Santos. "Criamos dois modelos de colaboração para o torcedor. A pessoa pode apenas doar qualquer quantia ou adquirir um crédito futuro para comprar algum produto para depois da paralisação terminar", disse. O site feito pela Frente Esquadrão Popular também divulga o trabalho dos dois vendedores para que possíveis interessados os contratem futuramente para festas de aniversário de crianças.

A dupla que é alvo da campanha ficou famosa na torcida por ter até desfilado no lançamento de uma linha de camisas oficiais do Bahia. Os dois pretendem distribuir parte dos recursos arrecadados para outros colegas da Fonte Nova. Todos os possíveis beneficiários estão em um grupo de WhatsApp com a presença de 16 ambulantes.

"Um dos grandes sentidos do futebol é a movimentação da economia e o laço que você cria até com as pessoas mais simples. O futebol une as pessoas e por isso nós resolvemos criar essa iniciativa para ajudar", afirmou Gabriel.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.