Retiro no Carnaval não abala palmeirenses

Os jogadores do Palmeiras continuaram repercutindo as declarações do técnico Jair Picerni, que os proibiu de desfilar em escolas de samba durante o Carnaval. Mas, segundo alguns, a medida pode ser revista caso o time vença o São Caetano sábado, no ABC, pelo Paulistão.?O Picerni nos chamou e disse que iria pensar sobre o assunto de acordo com o que acontecer na próxima partida. Mas acho que temos que pensar primeiro na nossa profissão. Não levamos uma vida normal e muitas vezes não é possível realizarmos tudo o que queremos?, disse Correia, que pretende passar o domingo de Carnaval com a família, em Limeira. Outro que não se mostrou preocupado com a ordem do treinador foi o atacante Adriano Chuva, que terá a chance de começar jogando uma partida oficial com a camisa do Palmeiras pela primeira vez. ?Gosto de Carnaval pela televisão. Nunca fiz questão de desfilar. No máximo, acompanhei alguns blocos da minha cidade, Capão da Canoa (RS). Acho que em um momento como esse, em que a vaga para as quartas-de-final do Paulistão ainda não está garantida, ninguém pode pensar em festa. A responsabilidade é igual para todos.?Evangélico fervoroso, Baiano brincou com a situação. ?Vou desfilar na escola de Jesus?, disse o lateral-direito.Nesta terça-feira, Vágner Love não treinou devido a uma inflamação no joelho direito. Mas, segundo o médico Maurício Bezerra, ele não deve ser problema para enfrentar o São Caetano. Mesmo assim, o atacante Rafael Marques espera a chance para provar que pode ter seu contrato renovado com o Palmeiras. ?Meu contrato termina no final do Paulistão e, até lá, espero mostrar meu potencial. Tomara que, contra o São Caetano, eu fique pelo menos no banco?, afirmou Rafael Marques.Nesta quarta-feira, a equipe do Palmeiras faz um jogo-treino contra o Nacional, na Academia de Futebol.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.