Érico Leonan / São Paulo
Érico Leonan / São Paulo

Retorno de Everton pode solucionar queda ofensiva do São Paulo

Time vem encontrando dificuldades para balançar as redes: nas últimas cinco partidas, foram apenas quatro gols

Renan Cacioli, O Estado de S. Paulo

10 Setembro 2018 | 05h00

O São Paulo vem sofrendo para marcar gols. A dificuldade ficou evidente mais uma vez na vitória por 1 a 0 sobre o Bahia, sábado, no Morumbi. Uma possível solução para o problema é o atacante Everton, aguardado para retornar ao time no clássico contra o Santos, domingo que vem, na Vila Belmiro, pela 25ª rodada do Campeonato Brasileiro.

Além de já ter feito cinco gols na temporada – é o quarto artilheiro tricolor no ano, atrás de Diego Souza e Nenê (12 gols cada), e Tréllez (6) –, o jogador é o líder em assistências da equipe, com seis passes para gol. Após se machucar durante a vitória sobre o Ceará, no dia 26 de agosto, ele desfalcou o São Paulo nas três partidas seguintes (Fluminene, Atlético-MG e Bahia) e fez muita falta.

Nas cinco últimas apresentações são-paulinas no Brasileirão, foram apenas quatro gols marcados. O time não anota mais de um gol no mesmo confronto desde a vitória por 2 a 0 sobre a Chapecoense, na 19ª rodada. Confira a sequência:

8/9 - São Paulo 1 x 0 Bahia

5/9 - Atlético-MG 1 x 0 São Paulo

2/9 - São Paulo 1 x 1 Fluminense

26/8 - São Paulo 1 x 0 Ceará

22/8 - Paraná 1 x 1 São Paulo

Recuperando-se de um estiramento muscular na coxa esquerda que o tirou de campo já durante o jogo contra os cearenses, Everton animou a comissão técnica após ir a campo para correr em volta dos gramados do CT da Barra Funda. O técnico Diego Aguirre espera que a semana livre de jogos antes do duelo na Vila Belmiro seja o suficiente para a recuperação de dois titulares: além de Everton, Bruno Peres também está fora de combate devido a uma lesão muscular.

Baixa produção ofensiva não é problema exclusivo do São Paulo

Depois do triunfo de sábado, o próprio Aguirre respondeu ao questionamentos sobre a dificuldade que sua equipe vem encontrando para achar o caminho do gol. Na opinião do uruguaio, não se trata de um obstáculo exclusivo do São Paulo.

"Todos os times têm dificuldades para marcar gols no Brasileiro. Não vejo jogos com três, quatro gols de diferença. Os adversários são fortes, se fecham bem", explicou o treinador.

Para o elenco, no caso específico do jogo contra os baianos, fundamental era sair de campo com os três pontos, independentemente do placar: "Acho que 1 a 0 é goleada. Dentro de casa é muito importante fazer os três pontos. Viemos de dois resultados ruins e precisávamos vencer", opinou o volante Hudson.

De folga nesta segunda-feira, o elenco tricolor volta aos trabalhos no CT na tarde desta terça. 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.