Retorno do zagueiro Diego Lugano divide diretoria do São Paulo

Alguns apostam em sua liderança; outros se preocupam com idade

Gonçalo Junior, O Estado de S.Paulo

16 de dezembro de 2015 | 07h05

O retorno do zagueiro uruguaio Diego Lugano e a sua condição quase natural de novo líder do São Paulo dividem a diretoria do clube. Embora tenha sido ovacionado pelo público no jogo de sexta-feira, que marcou a despedida de Rogério Ceni, o defensor de 35 anos não é uma completa unanimidade no Morumbi.  

O presidente Carlos Eduardo Barros e Silva, o Leco, vem sofrendo grande pressão dos conselheiros para acertar o retorno de Lugano. Eles acreditam que a aposentadoria de Rogério Ceni e a saída de Luis Fabiano abrem espaço para um jogador que já esteja identificado com o clube, caso do uruguaio.

“O São Paulo precisa de um jogador carismático e capaz de liderar essa transição”, diz um dirigente que prefere o anonimato. "Ele é um líder natural. Dentro e fora de campo", continua o cardeal. 

Na própria sexta-feira, o presidente deixou claro que pretende iniciar as negociações."Vamos conversar, não tem pauta, nem agenda definida. É um dos grandes nomes da nossa história. A torcida, em momentos que precisa de uma energia e atitude maior, grita o nome dele. Não pela representação técnica, mas pela entrega e dedicação que os são paulinos sempre querem", disse o presidente.

Por outro lado, a diretoria de futebol avalia que é difícil investir em um jogador de 35 anos e que dificilmente será negociado novamente. Alguns conselheiros entendem que seria melhor contratar um zagueiro jovem com potencial para ser revendido. 

O uruguaio atualmente defende o Cerro Porteño, do Paraguai, mas nunca escondeu a vontade de voltar a vestir a camisa do São Paulo. Pelo clube paulista, jogou entre 2003 e 2006, quando conquistou os títulos da Copa Libertadores e do Mundial de Clubes.

Tudo o que sabemos sobre:
FutebolSão Paulo FCDiego Lugano

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.