Divulgação/Santos FC
Divulgação/Santos FC

Retrospectiva 2018: Santos não tem muito o que comemorar na temporada

Ano foi bem abaixo do esperado para o time alvinegro, mas termina com bastaste otimismo, após a contratação de Jorge Sampaoli

Daniel Batista, O Estado de S.Paulo

27 Dezembro 2018 | 04h37

O Santos não tem muito o que comemorar em 2018. A equipe alvinegra deixa a temporada sem títulos, com situação financeira delicada e ainda vendo seu principal jogador de partida - Gabriel Barbosa voltará para a Inter de Milão. Entretanto, o ano terminou com otimismo para o clube da Vila Belmiro, que apresentou o técnico Jorge Sampaoli, renomado e cobiçado no continente sul-americano. O Estado destacou os dez momentos mais marcantes da equipe na temporada.

Jair Ventura e Gabriel Barbosa são contratados

O Santos decidiu apostar em Jair Ventura, foi até o Rio de Janeiro, pagou a multa e contratou o treinador, que estava no Botafogo. Dias depois, mais um motivo de alegria para a torcida alvinegra: Gabriel Barbosa era anunciado como novo reforço do Santos. O jogador chegou por empréstimo da Inter de Milão, com a esperança de repetir a boa passagem que teve quando saiu da base do clube para se tornar mais uma revelação de peso do clube. Durante o Paulistão, o Santos teve campanha regular e avançou sem sustos até a semifinal, quando enfrentou o Palmeiras e perdeu nos pênaltis para o rival alviverde.

Rodrygo é vendido para o Real Madrid

Apontado como sucessor de Neymar e uma das maiores apostas da base do Santos, o jovem Rodrygo foi vendido para o Real Madrid em junho, por 45 milhões de euros (R$ 193 milhões). O time santista ficou com 40 milhões de euros (R$ 172 milhões). Por ser menor de idade, o atacante só deveria se transferir para o clube espanhol em junho do ano que vem.

Campanha rumo ao rebaixamento causa demissão​

Apesar da eliminação no Paulista, a diretoria bancou Jair Ventura para o Campeonato Brasileiro, com a esperança de que o time poderia aproveitar a paralisação da Copa do Mundo para treinar, corrigir os erros e arrancar rumo ao topo da tabela. Mas não foi o que aconteceu. Na 13ª rodada do Brasileirão, com o time muito próximo da zona de rebaixamento, Jair Ventura foi demitido do Santos com o retrospecto de 39 jogos, sendo 14 vitórias, 10 empates e 15 derrotas, tendo um aproveitamento de 44,4%.

Carlos Sánchez é contratado e vira um divisor de águas 

Dias depois da demissão de Jair Ventura, o reforço tão esperado pelo treinador chegou: Carlos Sánchez era anunciado no clube e a chegada do uruguaio se tornou um dos divisores de água da equipe na temporada. Ele foi um dos responsáveis por organizar a equipe em campo e dar uma nova cara ao time, que pouco depois passou a contar com um novo treinador.

Mudanças no comando e Cuca é anunciado 

Santos anunciou Cuca como novo técnico no fim de julho. O treinador retornou ao clube com o objetivo de resgatar o orgulho do torcedor santista e também tirar a equipe da parte debaixo da tabela do Brasileirão. Ele vai, aos poucos e na base da conversa, entrosando o grupo e os resultados começam a aparecer e já faz o elenco mirar até uma classificação para a Copa Libertadores.

Punição e eliminação da Libertadores 

Em agosto, o Santos é eliminado da Libertadores pelo Independiente-ARG, no Pacaembu, após empate por 0 a 0, em jogo que ficou marcado por um confronto de santistas com a polícia. Cuca chegou a discutir com um policial, após o oficial dar um mata-leão em um torcedor que invadiu o gramado. A partida acabou sendo encerrada antes do apito final por falta de segurança e o elenco do Santos estava claramente irritado, pelo fato do time ter sido penalizado no primeiro jogo com uma derrota por 3 a 0 pela escalação irregular de Carlos Sánchez. O erro fez com que a diretoria demitisse o funcionário que cometeu a falha. 

Impeachment de José Carlos Peres 

No fim de setembro, após muita pressão e ameaças, sócios do Santos votaram e decidiram rejeitar o impeachment do presidente do clube José Carlos Peres, que foi acusado de diversas irregularidades. Com a decisão, todas as denúncias foram arquivadas e a crise nos bastidores da equipe chegou a atrapalhar o time de futebol. O técnico Cuca reclamou algumas vezes da situação.

Problema no coração tira Cuca do Santos

Em novembro, o técnico Cuca revelou ter um problema no coração que o obrigaria a deixar o futebol por alguns meses. Logo, ele não poderia continuar no Santos para a próxima temporada e fez questão de avisar com antecedência para que a diretoria alvinegra tivesse tempo de ir atrás de outro treinador. Enquanto isso, a equipe começa a perder força, tropeça em jogos, teoricamente fáceis, e vê a chance de ir para a Libertadores ser frustrada.

"Maestro" Renato pendura as chuteiras 

Com 39 anos, o meia Renato, que acumulava a função de jogador e dirigente, anuncia sua aposentadoria e o jogo de despedida é na vitória por 3 a 2 sobre o Atlético-MG, na última rodada do Brasileirão. O Santos se despede da temporada dando adeus ao seu “maestro” e tendo Gabigol fazendo história, já que foi a primeira vez que um jogador conseguiu terminar o ano como artilheiro do Brasileirão e da Copa do Brasil.

 Chegada de Sampaoli​

Nos últimos dias de 2018, o Santos surpreende e anuncia a contratação do técnico Jorge Sampaoli. O treinador, que comandou a seleção da Argentina durante a Copa do Mundo da Rússia, assinou contrato válido por duas temporadas e chega cheio de confiança de brilhar no time de Pelé.

 

 

Mais conteúdo sobre:
Santos Futebol Clube

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.