Lucas Figueiredo / CBF
Lucas Figueiredo / CBF

Reunião na CBF sobre volta da torcida aos estádios termina em confusão

Protagonistas dos momentos de maior tensão do encontro foram Rogério Caboclo, presidente da entidade, e Rubens Lopes, presidente da Ferj

Redação, O Estado de S.Paulo

24 de setembro de 2020 | 21h24

A reunião por videoconferência, marcada pela Confederação Brasileira de Futebol (CBF) com representantes dos 20 clubes da Série A e que tinha como pauta a discussão sobre o possível retorno de público nos jogos da competição, terminou em discussão, xingamentos e sem nenhuma definição sobre o assunto. Os protagonistas dos momentos de maior tensão do encontro foram Rogério Caboclo, presidente da entidade, e Rubens Lopes, presidente da Federação de Futebol do Estado do Rio de Janeiro (Ferj).

A reunião começou por volta das 17h e, logo no início, Caboclo propôs aos presentes a volta do público aos estádios. O presidente da CBF afirmou ainda que para que os torcedores retornassem às partidas a entidade teria de conversar com as prefeituras, mas que antes gostaria de ouvir a posição das equipes. 

A maior parte dos representantes dos clubes optou pela isonomia – só seria liberada a presença da torcida se fosse para todas as equipes. Foi nesse ponto que surgiu o primeiro conflito. O Flamengo e a Ferj defenderam que o público deveria ser liberado nas cidades que concordassem com a decisão.

Palmeiras e Corinthians, entre outros, foram taxativos e não aceitaram. Nisso, Caboclo decidiu colocar em votação uma proposta para uma volta conjunta, sem data definida. Rubens Lopes pediu a palavra e lembrou que o pleito não poderia ser realizado, pois não tratava-se de uma reunião arbitral, e sim de um simples encontro. 

Caboclo ficou irritado com a interrupção. Com a voz elevada, passou a falar que era ele quem presidia a entidade e não outra pessoa. Lopes respondeu e, com ironia, perguntou se o presidente da CBF havia se esquecido de tomar o “Gardenal” (remédio controlado usado para tratar e prevenir convulsões e episódios de epilepsia).

Diante da incredulidade dos presentes, Walter Feldman, secretário da entidade, interveio e a reunião foi encerrada. 

Outros temas. No encontro, ainda houve uma rusga entre Mário Celso Petraglia, presidente do Athletico-PR, Caboclo e Lopes. Caboclo ainda queria debater assuntos relacionados ao novo coronavírus, mas não houve nenhuma discussão sobre o assunto. 

A única decisão efetiva do encontro foi o aumento do número de jogadores inscritos por clube no Brasileirão – de 40 para 50 atletas. 

A decisão de aumentar dez jogadores por clube se dá na semana que o Flamengo vive um surto de covid-19 dentro do seu elenco. Até esta quinta, são 16 jogadores infectados, além do presidente Rodolfo Landim e do vice de futebol, Marcos Braz. 

Por isso, o clube carioca quer o adiamento de sua partida contra o Palmeiras, marcada para domingo às 16h no Allianz Parque. O pedido, que o Alviverde se opõe, não teve resposta da CBF e o Flamengo deve entrar com medida no Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) para não ter que jogar com jogadores das suas categorias de base. O time ainda quer ter o direito de não entrar em campo sem ser penalizado com a perda dos pontos. 

VEJA A NOTA DA CBF SOBRE A REUNIÃO

"A Confederação Brasileira de Futebol (CBF) informa que, em reunião por videoconferência com os clubes da Série A do Brasileirão e as respectivas Federações Estaduais, realizada nesta quinta-feira, 24, para discussão do retorno do público aos estádios, a grande maioria dos participantes se manifestou favorável ao retorno do público em data e quantidade a serem definidas, desde que de forma isonômica e com permissão das autoridades dos Estados e Municípios correspondentes. O tema voltará a ser debatido em reunião futura.

No mesmo encontro, a CBF explicou o critério utilizado para adiamento de jogos do Campeonato Brasileiro. A entidade compartilhou com os clubes que vem adotando premissas objetivas para análise dos pedidos de adiamento, levando em consideração: a quantidade de atletas inscritos pelos clubes, de atletas infectados, o número de jogadores disponíveis e o limite máximo de inscrições para cada competição, nos termos dos respectivos regulamentos.

Em linha com a jurisprudência que vem sendo construída pelo Superior Tribunal de Justiça Desportiva do Futebol (STJD) sobre o tema, a CBF estabeleceu, com anuência da grande maioria dos clubes, o mínimo de 13 atletas não infectados para que a partida seja realizada. Na ocasião, tendo sido apresentada a possibilidade de aumento do limite de inscrições para o Campeonato Brasileiro da Série A de 40 para 50 atletas, os clubes se manifestaram favoravelmente."

GOVERNO DO RIO DECRETA AUTORIZAÇÃO DE PÚBLICO

Antes da reunião organizada pela CBF, o governador em exercício do Rio de Janeiro, Cláudio Castro, decretou em edição extra do Diário Oficial a autorização de 30% do público nos estádios localizados em municípios do Estado que estão com bandeira amarela ou verde, onde o risco de contágio de coronavírus é menor.

O decreto também determina algumas obrigações para a volta de público, como o distanciamento de no mínimo dois metros entre os torcedores, a distribuição de álcool em gel e a medição de temperatura na entrada.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.