Reuters/ Ina Fassbender
Reuters/ Ina Fassbender

Reus brilha e Borussia reage com 2ª vitória seguida no Alemão

Com contrato renovado, meia marca um, dá passe para Aubameyang e sai aplaudido; Subotic e Sahin também marcam

Estadão Conteúdo

13 de fevereiro de 2015 | 19h53

Marco Reus foi o grande nome do jogo do Borussia Dortmund nesta sexta-feira. E não apenas porque foi ovacionado pela torcida antes do apito inicial, em sua primeira partida após estender seu contrato com o clube, que vive inesperada má fase na Alemanha. O meia-atacante deixou sua marca e deu assistência para outro gol na suada vitória por 4 a 2 sobre o Mainz, em casa, na abertura da 21ª rodada do Campeonato Alemão.

Foi a segunda vitória seguida do Borussia, que começou o ano na lanterna da tabela. Com mais este triunfo (foram sete gols nas duas partidas), a equipe parece ter reencontrado seu bom futebol. E já se afasta da zona de perigo. O time chegou aos 22 pontos e ocupa a 14ª colocação da classificação, duas posições acima da zona da degola. O Mainz tem a mesma pontuação, mas aparece uma colocação à frente do rival.

A nova vitória, contudo, foi suada desde os primeiros minutos da partida. Os aplausos a Reus logo deram lugar à preocupação quando Elkin Soto abriu o placar para o Mainz no primeiro minuto de jogo. A reação dos anfitriões só veio depois do intervalo. Neven Subotic empatou aos 5 e o próprio Reus virou cinco minutos depois.

Mas o Mainz não se deu por vencido e reagiu. Apenas um minuto depois do gol de Reus, Yunus Malli igualou novamente o marcador. O sofrimento voltou a rondar o Estádio Signal Iduna Park. Até que Pierre-Emerick Aubameyang anotou o terceiro do Borussia, aos 26, e Nuri Sahin sacramentou o triunfo aos 33.

Os gols fizeram a festa da torcida, que voltou a exaltar Reus, um dos poucos jogadores do Borussia que resistiu ao assédio dos rivais e decidiu permanecer na equipe - ao contrário de atletas como Robert Lewandowski e Mario Götze, que rumaram para o rival Bayern de Munique.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.