Vitor Silva| SS Press| Divulgação
Vitor Silva| SS Press| Divulgação

Revelação do Botafogo provoca torcida, é xingado e se desculpa

Octávio pediu para que torcedores gritassem mais alto. Partida diante do Juazeirense contou com apenas 377 pagantes

Estadão Conteúdo

20 de maio de 2016 | 10h36

Apenas 377 torcedores foram ao Estádio Los Larios, em Duque de Caxias (RJ), para acompanhar o que foi uma vitória apertada do Botafogo sobre o Juazeirense, por 1 a 0, na noite de quinta-feira, pela Copa do Brasil. Apesar da presença de pouquíssimos torcedores, o meia Octávio conseguiu se indispor com eles.

Após Neilton fazer o gol da vitória, já no finalzinho da partida, Octávio, que havia entrado aos 31 minutos do segundo tempo, passou reto pela comemoração dos companheiros para se dirigir a um grupo de não mais do que 50 botafoguenses que estavam ali. Ao invés de festejar, os provocou pedindo que gritassem mais alto.

O meia, de 22 anos, já não é dos mais elogiados quando entra em campo e teve que lidar com ainda mais ofensas endereçadas a ele. Na saída do campo, esses torcedores se aglomeraram nas grades para criticá-lo. Durante a madrugada, o jovem pediu desculpas, utilizando uma redes social.

"Boa noite, quero pedir desculpas para torcida alvinegra pelo que ocorreu hoje (quinta) no jogo. Em nenhum momento xinguei a torcida. Sei que exagerei na comemoração, sou cria da base e sou grato por tudo que vocês torcedores e o clube fez e faz na minha vida. Desculpa aos torcedores que estavam hoje no estádio, sei que é um sacrifício sair do trabalho e ir nos prestigiar. Desculpa às organizadas que sempre estão ao nosso lado", escreveu.

Mais cedo, na entrevista coletiva, o meia foi criticado pelo técnico Ricardo Gomes. "É uma pena porque ele trabalha muito bem, fez a formação no Botafogo, só que hoje não foi bem. Vou conversar com ele amanhã (sexta). Torcedor vem, compra ingresso, ele quer o melhor para o time. E se o time não está jogando bem tem que aceitar a crítica. É um garoto, errou, mas acho que vai conseguir encontrar o melhor caminho. A cabeça é boa, mas ainda de jovem, rebeldia, não aceita situação de crítica. E nessa profissão é mais isso. Vou conversar com ele, espero que compreenda e absorva. Octávio está comigo há muitos meses, entra sempre bem, mas hoje... Essa atitude em relação à torcida não pode se repetir."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.