Riascos nega ofensa ao Cruzeiro, mas admite erro e se desculpa

Atacante colombiano disse ter sido mal interpretado em frase

Estadão Conteúdo

18 de julho de 2016 | 11h00

As fortes declarações do atacante Riascos e a dura posição da diretoria do Cruzeiro de afastá-lo do elenco no último domingo seguem repercutindo nesta segunda-feira. Acusado de ter ofendido o time mineiro e o chamado de "m...", o colombiano se defendeu através das redes sociais e descartou qualquer intenção de denegrir diretamente o clube.

"Em nenhum momento tive a intenção de atingir a instituição ou meus companheiros de time. Na verdade, eu fiz referência à minha situação dentro da equipe. Não venho conseguindo ter uma sequência. Tenho entrado faltando pouco tempo nos jogos. Vejo a equipe com dificuldades para conseguir os resultados e não consigo dar minha contribuição", escreveu em sua página no Instagram.

Riascos não escondeu sua insatisfação com o momento no Cruzeiro após mais uma derrota no Campeonato Brasileiro, no último domingo, para o Fluminense. Questionado sobre suas atitudes na partida, o atacante admitiu que "não está normal" e disse que lhe "tiraram a felicidade". As declarações foram tomadas como um desabafo pelo fato de a diretoria cruzeirense não ter aceitado prorrogar seu empréstimo para o Vasco, onde o jogador fez sucesso no primeiro semestre.

O colombiano, nervoso, ainda proferiu o palavrão na entrevista à Rádio Itatiaia e foi acusado de ter chamado o Cruzeiro de "m...". Ele alegou que se referia ao próprio mau momento e à péssima fase da equipe no Brasileirão - é apenas a 18.ª colocada, na zona de rebaixamento -, mas admitiu que errou e pediu desculpas.

"É claro que não me sinto feliz com isso, mas admito que não deveria ter me expressado dessa maneira, ainda no calor da partida. Peço desculpas à imensa torcida cruzeirense e aos meus companheiros de clube que possam ter se sentido ofendidos com minhas declarações", comentou.

Resta saber se as desculpas e as explicações de Riascos apaziguaram o mal-estar causado no clube. Imediatamente após ser informada das declarações, a diretoria do Cruzeiro, representada pelo diretor de futebol Thiago Scuro, o afastou do elenco, disse que ele não atuará mais com a camisa celeste e deu a entender que pode até processá-lo.

"Diante dessa postura, nós não aceitamos de forma alguma a participação de atletas com essa conduta e com esse posicionamento. A partir de agora, ele está fora da delegação e passa a ser um problema administrativo e jurídico. Vamos até o final para que ele pague da forma mais dura e legal pelo comportamento que teve. O Cruzeiro vive esse momento difícil, de reorganização, mas é com respeito e honestidade que vamos voltar para onde devemos estar", disse Scuro no domingo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.