Ribeiro ganhou R$ 7,2 milhões na transferência de Robinho

Ex-empresário do jogador ficou com parte do valor da transação do atleta para o inglês Manchester City

Sanches Filho - Especial para O Estado de S.Paulo,

26 de setembro de 2008 | 17h46

Fontes ligadas a Robinho negam que o rompimento do jogador com o empresário Wagner Ribeiro, depois de seis anos, foi em razão do recebimento de propina pelo empresário e agente Fifa para facilitar a sua contratação pelo Manchester City, da Inglaterra, sem esperar pelo limite do prazo para que o Chelsea chegasse aos 40 milhões de euros que o Real Madrid pedia. Na negociação, o agente, como era previsto em contrato, ficou com parte do valor da venda, no caso 3 milhões de euros (R$ 7,2 milhões). Dê seu palpite no Bolão Vip do LimãoA notícia dada nesta sexta-feira em uma coluna do The Independent, da Inglaterra, de que agentes ficaram com 5,2 milhões de euros na transação, causou a estranheza de um dos assessores de jogador."O principal motivo foi que Ribeiro demorou a tirar Robinho do Real e também houve alguma coisa em relação a ele não ter esperado um pouco mais pela palavra final do Chelsea", confirmou o assessor. Ele explicou que Robinho reconhece a importância que Ribeiro teve na sua carreira, mas que agora pretende abrir um escritório em Londres e outro em São Paulo e deixar que o seu pai (Gilvan de Souza) cuide de seus negócios.O último contrato entre Robinho e Ribeiro terminou há dois anos. Ultimamente o compromisso entre ambos era apenas verbal e há algum tempo o jogador vinha amadurecendo a idéia de seguir os passos de Kaká, desligando-se do empresário e passando a se encarregar dos seus interesses com apoio do pai.Como aconteceu com Robinho no Santos, Ribeiro forçou a saída de Kaká do São Paulo, negociado com o Milan por US$ 8,5 milhões em 2003. A diferença é que o ex-são-paulino abandonou o empresário logo em seguida à mudança de clube e país, alegando que seu pai passaria a cuidar de sua carreira.DESCONTENTAMENTORobinho ficou descontente com o comportamento de Ribeiro, permitindo que o seu desligamento do Real Madrid se arrastasse por muito tempo, provocando o desgaste de sua imagem de jogador. A partir do momento que o clube espanhol passou a fazer do português Cristiano Ronaldo o seu sonho de consumo, o brasileiro tornou-se moeda de troca. Mesmo assim Robinho tentou renovar o contrato com o Real. Seu pai foi pelo menos dez vezes tentar o acerto e os dirigentes não demonstraram interesse.Enfrentando problemas particulares, Ribeiro quase nada fez, só entrando no circuito ao sentir a possibilidade de uma negociação milionária.O que os amigos que Robinho em Santos dizem é que o fim do relacionamento era inevitável porque não havia mais motivo para que o empresário continuasse recebendo altas comissões sem contrapartida. Quando o atacante foi vendido pelo Santos ao Real Madrid por US$ 30 milhões, em 2005, Ribeiro engordou sua conta bancária com US$ 2 milhões e agora couberam a ele na negociação com o Manchester City R$ 7,2 milhões.HISTÓRICOQuando Robinho, com contrato em vigência, peitou o Santos, exigindo a venda de seus direitos federativos ao Real Madrid, foi considerado ingrato por uma parte da torcida santista, enquanto o seu empresário foi ameaçado de ser proibido de entrar no clube.Houve até um movimento para que o Conselho Deliberativo votasse moção para que o empresário se tornasse persona non grata no Santos. A idéia não foi adiante e no começo deste ano Ribeiro voltou freqüentar até as concentrações, na condição de procurador do atacante Tiago Luís, que ele "vendeu" à imprensa de Madri como o Messi brasileiro.O Santos se iludiu com uma suposta proposta milionária vinda da Espanha e deu um bom contrato a Tiago Luís, o que levou o ex-técnico Emerson Leão a brincar com a situação depois de um mês. "Ué, cadê a tal proposta de 10 milhões de euros que prometeram apresentar por Tiago Luís?"Em represália, o agente colaborou com o movimento para derrubar o técnico, espalhando a informação que a levaria a Traffic para o clube, com o compromisso de investir altas somas na contratação de reforços, assim que Leão fosse mandado embora. O que não se confirmou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.