Ricardinho desabafa e rebate críticas

Ricardinho cansou das críticas e das dúvidas sobre a contratura muscular na coxa esquerda, que o afastou do campo há um mês. E resolveu desabafar, pois não suportava mais as insinuações de que não jogava porque o São Paulo lhe deve dinheiro."Não sou moleque. Não sou artista. Não estou fingindo nada. Tenho um buraco na minha coxa esquerda. Não tenho culpa se as pessoas são maldosas e decidem lançar um monte de mentiras a meu respeito. Eu nunca ficaria sem jogar por causa de dinheiro. Tenho a minha família, meu filho. Quero ser um exemplo de orgulho para ele. Nunca de vergonha. Cansei de ouvir mentiras a meu respeito", desabafou Ricardinho.O jogador, que foi a transação mais cara da história entre clubes no futebol brasileiro - o São Paulo pagou US$ 4 milhões ao Corinthians -, não tinha motivo nenhum para comemorar nesta terça-feira o fato de completar um ano no Morumbi. Seu rendimento acabou bem abaixo da média. Em 49 partidas, Ricardinho marcou quatro gols. Neste ano foram 31 partidas e apenas um gol."O que me atrapalha são sempre as comparações do que eu fiz no passado, no Corinthians, com o que estou fazendo agora. Não vou procurar desculpas, tudo é diferente. A minha posição é diferente, enfim. Até a minha família me pede para jogar mais à frente. Só que eu faço o que o treinador me manda. E também o que é importante para mim: a culpa por tudo o que acontece comigo no São Paulo é minha. Não vou repassar para ninguém."Ricardinho também faz questão de defender o departamento médico do São Paulo. "Não admito que se coloque em dúvida a situação de profissionais de ótimo nível que estão trabalhando honestamente há mais de dez anos em um clube como o São Paulo. Ninguém está escondendo nada. Somos homens honestos, profissionais."Ricardinho não quis confirmar se o clube pagou a dívida de R$ 1,5 milhão que tem com ele, dinheiro que é parte das ?luvas?. "Esse é um problema meu. Ninguém tem nada a ver com o meu salário, se eu recebo ou não."A contratação de Ricardinho foi articulada pelo ex-diretor de futebol Carlos Augusto Leite e Barros. Mas como o meia não conseguiu se adaptar ao clube, a diretoria do São Paulo abriu a possibilidade de empresários negociá-lo com o exterior. Só que não surgiu interessado.Não há certeza de que Ricardinho terá condições de enfrentar o Paysandu, sábado, em São José do Rio Preto, pelo Campeonato Brasileiro. "Vai depender do treinamento. Mas ninguém mais do que eu quer estar em campo", garantiu o jogador.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.