Ricardinho deve ir mesmo para Europa

Com certeza, Carlos Alberto Parreira vai ter bem mais trabalho para acertar o time do Corinthians para o Campeonato Brasileiro do que imaginava, mesmo que receba nas próximas horas os dois reforços que pediu para o ataque. É que Ricardinho, que ao lado de Dida e Deivid fez a diferença na conquista dos títulos da Copa do Brasil e do Rio-São Paulo, está mesmo de malas prontas para a Europa, de acordo com as informações que vazaram sábado à tarde, na Vila Belmiro, no final do amistoso em que a equipe acumulou a terceira derrota consecutiva do segundo semestre, ao ser derrotada pelo Santos por 3 a 1. O destino do meia-armador deve ser um clube da Inglaterra, provavelmente o Arsenal.Leandro, que sofreu uma "fisgada" no músculo posterior da coxa direita e teve de ser substituído logo no início do amistoso de sábado, na Vila Belmiro, vai fazer uma ressonância nesta segunda-feira, para que se saiba se a lesão é grave ou não e para que os médicos possam ter uma idéia do tempo necessário para a sua recuperação.Com o problema muscular de Leandro, torna-se mais urgente a contratação de reforços para o ataque, embora Deivid já esteja quase recuperado.Parreira revela que confirmou cinco dos nomes de jogadores oferecidos por empresários aos dirigentes. "Os contatos estão sendo mantidos. Mas, como no casamento, que só se realiza quando os noivos dizem o ?sim? diante do padre, só considero reforço quando o jogador é colocado à minha disposição para começar a trabalhar", desconversou o técnico, quando lhe foi perguntado se Guilherme, que está em disponibilidade no Atlético (MG), já estaria contratado.Guilherme, que também foi oferecido ao Santos no fim de semana, pode não estar contratado, mas provavelmente faz parte da relação dos aprovados por Parreira. Porém, ele não é o preferido dos principais dirigentes do Parque São Jorge. O primeiro da lista continua sendo Dodô, que se está de saída do Botafogo-RJ.A transferência de Dodô para o Corinthians só não se consumou ainda porque ele disse que preferia continuar no Botafogo, na esperança de conseguir receber os R$ 600 mil que o clube carioca lhe deve de salários atrasados.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.