Ricardinho deve ir para o exterior

Ricardinho pode sair do Corinthians, mas para o São Paulo ele não vai. De acordo com o comunicado que o presidente corintiano, Alberto Dualib, fez, através da assessoria de imprensa, "houve o encontro entre os dois presidentes nesta quarta-feira à tarde, mas no momento não há possibilidade de negociação, em razão de uma proposta de um clube do exterior pelo meia."A informação foi transmitida aos jornalistas, às 18h desta quarta-feira, logo após o coletivo no Parque São Jorge. Nenhum dirigente apareceu para assistir ao treino. A novidade foi a presença de cerca de 30 integrantes da torcida organizada Gaviões da Fiel, protestando contra as negociações para a transferência de Ricardinho para o São Paulo. "Fica Ricardinho, ô, ô," gritavam os torcedores junto ao alambrado, no final da tarde desta quarta-feira, no Parque São Jorge, quando Carlos Alberto Parreira pegou Ricardinho pelo braço, encerrando as suas últimas entrevistas do dia, levando-o para os vestiários. "Vamos embora. Você não disse que não iria falar nada?", protestava, em tom de brincadeira, o técnico.Mas nem era preciso Parreira repreender o meia, que, em relação ao que vem falando desde a semana passada, apenas acrescentou que se sentia um privilegiado pela manifestação dos torcedores. A Gaviões abriu cinco faixas na arquibancada, uma delas com mensagem agressiva contra o clube rival: "Ricardinho não é bambi; é gavião".Protesto - Nas outras, pressionando a diretoria. "Sem estádio. Agora sem Ricardinho?", "Patrimônio do Timão ninguém põe a mão", "Ricardinho é nosso até 2004" e "Dualib, faça a sua parte. Cumpram-se os contratos.". Ao som de batucada improvisaram rimas, como "Dualib, preste atenção. Com Ricardinho o Corinthians vai ´pro´ Japão" e "Não é mole não. Ricardinho é do Corinthians e pentacampeão."Vampeta foi o único jogador que aceitou falar sobre a, até então, provável transferência de Ricardinho para o São Paulo. "A manifestação mostra que a torcida tem consciência da importância que Ricardinho tem para o time e o carinho dela para com o jogador. Por mim, quero que ele continue no Corinthians por muitos anos, jogando ao meu lado. É um amigo e gosto de jogar ao lado dele. Porém cabe a ele e a diretoria decidirem", afirmou o volante.De acordo com que o seu aviso na véspera, Carlos Alberto Parreira se negou a falar sobre o assunto Ricardinho nesta quarta-feira. Quanto à manifestação da torcida, ele disse que já sabia que iria acontecer. "Afinal, Ricardinho é um ídolo. Diante da insistência de vocês, vou repetir apenas uma frase que disse na terça-feira: eu gostaria que Ricardinho ficasse no Corinthians. E ponto final."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.