Ricardinho é a esperança do Palmeiras

Quando perguntados sobre o clássico desta tarde, os jogadores do Palmeiras não vacilam para dizer que o favorito é o São Paulo. E não se trata de papo de boleiro. O São Paulo é mesmo, na teoria, o favorito. E motivos não faltam para tal análise. O time do Morumbi é líder do Campeonato Paulista e vem jogando bem. O Palmeiras, ao contrário, decepciona. São poucos os jogadores que se salvam na medíocre campanha da equipe neste início de 2005. Um deles é o jovem Ricardinho, de 20 anos. O atacante, que marcou 3 gols no Paulista e 2 na Libertadores, é uma das poucas apostas do técnico Candinho para o clássico deste domingo, em que o time necessita da vitória para voltar a ter alguma esperança na competição."É um jogo difícil e o São Paulo é o favorito, mas em clássico as coisas mudam", analisa o jogador. Ricardinho, que disputará seu segundo clássico estadual na carreira - o primeiro foi no ano passado diante do Santos -, tem razões extras para querer derrotar o São Paulo. Há um ano, teve problemas com a diretoria do clube do Morumbi e não renovou seu vínculo. Foi contratado em 2003, jogou por 9 meses, mas não ficou por causa de desentendimento com os dirigentes. "Meu contrato venceria em 31 de janeiro do ano passado. Disse aos dirigentes que renovaria depois da Copa São Paulo, que sempre termina no dia 25, mas eles não aceitaram. Falaram que eu só disputaria a competição se renovasse o contrato antes. Acabei saindo", contou. "Eu fiz meu trabalho, mas os diretores não fizeram a parte deles."Mesmo assim, deixou amigos no clube, como os zagueiros Flávio e Edcarlos. Eles treinaram juntos nos juniores em Barueri, em 2003, com Cilinho, então comandante das categorias de base do São Paulo. "Apesar dos problemas não tenho raiva do São Paulo."

Agencia Estado,

20 de fevereiro de 2005 | 10h54

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.