Ricardinho é a opção do Palmeiras

Com fortes dores no joelho direito, Osmar, o artilheiro do Palmeiras, pode desfalcar o time neste sábado, contra o líder Atlético Paranaense, no Palestra Itália. Ele será reavaliado nesta sexta-feira pelos médicos do clube. Se for reprovado no teste físico, será substituído por Ricardinho.O jovem e precoce atacante se diz preparado para entrar na "fogueira", que é esse jogo diante do Atlético - a partida é considerada tão importante para o Palmeiras, que tem sido tratada como uma "decisão". "É uma final! Se ganharmos, continuaremos alimentando esperanças de ir atrás do título", diz o meia Pedrinho. Ricardinho não se esquenta. "Estou preparado. Ainda não sei se o professor Estevam vai optar por mim, mas me sinto pronto para jogar."Tamanha confiança não foi conquistada no Palmeiras. Vem de longe. Pelo clube alviverde, Ricardinho fez só três jogos, todos entrando no segundo tempo. Mas, apesar da pouca idade (20 anos), esse pernambucano já tem história para contar: "Fui o jogador mais novo a disputar uma partida de Campeonato Brasileiro. Com 16 anos, estreei pelo Santa Cruz num jogo contra o Vasco, em 2000. Depois, com 18 anos, fui jogar no Japão, no Kashiwa Reysol. Fiquei três meses e aprendi muito com os brasileiros que estavam lá, como o César Sampaio e o Edílson. Depois, fui para o São Paulo. Fiquei oito meses, mas só joguei pela equipe de juniores. Fui o artilheiro do Paulistão da categoria no ano passado, com 15 gols em 18 jogos."Com um currículo como esse, Ricardinho chegou ao Palmeiras em fevereiro deste ano. Após alguns meses se destacando pelo time B, acabou chamado por Estevam Soares para atuar no time principal. Se Osmar não se recuperar da lesão, Ricardinho fará seu primeiro jogo como titular. "Não tenho medo das cobranças que possam vir", diz ele. "E o professor Estevam tem me dado muita força".Ricardinho conta que seu estilo de jogo é parecido com o de Osmar: é um segundo atacante, rápido, brigador, que gosta de servir os companheiros, mas que também sabe fazer gols. "Em todos os lugares onde joguei, o centroavante que atuou comigo foi artilheiro, mas eu também sei fazer gol", diz o ?sósia? de Osmar. "Pois é. Além do estilo de jogo, dizem que a gente é muito parecido fisicamente..."Para Estevam e para o Palmeiras, porém, o que importa é que Ricardinho faça em campo o que Osmar vem fazendo: a função de puxar contra-ataques e chegar na área em condições de finalizar.O técnico palmeirense já disse que o favorito para o jogo deste sábado é o Atlético. Estevam afirma que colocará seu time "para jogar no ataque, mas com responsabilidade". No treino de ontem, armou um esquema 3-5-2, com Gabriel, Daniel e Nen na defesa; Baiano (que volta de suspensão) e Lúcio nas laterais; Marcinho, Magrão e Diego Souza no meio-de-campo; Ricardinho e Pedrinho no ataque.Nesse esquema, segundo os jogadores, a diferença fica por conta do trabalho dos laterais. Com a proteção de um zagueiro a mais, "Baiano e Lúcio ganham liberdade total para atacar", diz Diego Souza. "Eles acabam fazendo parte da armação do time", emenda Pedrinho.O desfalque certo é o meia Elson, com inflamação no joelho direito. A dúvida: o volante Claudecir, com dores no calcanhar esquerdo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.