Ricardinho faz três, mas Santos empata

Jogar na Seleção Brasileira deixa qualquer jogador motivado. A escrita serve para o meia Ricardinho. Após colaborar com a classificação da equipe nacional para a Copa do Mundo de 2006, ele voltou em grande estilo ao Santos. Em noite iluminada em Curitiba (PR), sua cidade natal, marcou três belos gols. Os companheiros, contudo, não colaboraram e sua equipe apenas empatou com o Atlético-PR, na Arena da Baixada: 3 a 3.Após resultados favoráveis nos jogos da tarde, o Santos entrou em campo podendo abrir - pelo menos até esta quinta - três pontos em relação ao segundo colocado, o Fluminense. Não aproveitou a chance, jogou muito mal e corre o risco de perder a primeira posição caso o Internacional vença o Flamengo, no Rio (empatariam em pontos, mas o time gaúcho teria uma vitória a mais - 13 a 12).Atual campeão brasileiro, após disputa rodada a rodada em 2004 justamente contra o Atlético-PR, o Santos apostava na estréia do lateral-esquerdo Kléber e nas voltas do lateral-direito Paulo César e do meia Ricardinho, para, enfim, disparar na classificação do Nacional desta temporada. Após comemorados os tropeços de Corinthians, Goiás e Paraná, a ordem era concentração e seriedade.A palestra do técnico Gallo, inclusive, atrasou a entrada do time em campo. O quarto árbitro teve de chamar os santistas, nos vestiários, duas vezes. "Conversamos bastante sobre esta grande chance. Nada de desperdiçá-la", revelou Geovanni, antes de o duelo começar.O Santos entrou em campo vaiado e com problemas nas bolas aéreas. Logo no primeiro minuto do jogo, falta boba de Zé Elias. Jancarlos cobrou e Saulo falhou: 1 a 0. E cadê a concentração exigida? Sem personalidade, o Santos era completamente envolvido e seu goleiro salvava o time de levar mais gols, em chutes de Ferreira, Caetano e Finazzi, cara-a-cara.Era jogo de uma equipe só. Até surgir falta perigosa aos 35 minutos. Ricardinho repetiu o que já tinha feito para a Seleção Brasileira no amistoso contra a Croácia. Nas duas situações, sua equipe perdia por 1 a 0. Com grande precisão, acertou o ângulo e empatou: 1 a 1.O gol contagiou os santistas que, aí sim, começaram a desempenhar bom futebol. No início da fase final, lembrando os bons tempos de Corinthians, Kléber e Ricardinho tabelaram e o meia virou o placar. Mas Gallo erraria ao trocar o volante Gavião pelo meia Léo Lima. Abriu sua equipe e viu Schumacher estragar a festa ao completar bela jogada de Marcão: 2 a 2.Ricardinho, agora em cobrança forte de falta, colocou o time pela segunda vez em vantagem. Gallo tentou redimir-se ao trocar Giovanni por Wendel. Marcação reforçada e... pênalti em Ferreira, que cobrou e novamente empatou o jogo. Uma bobeada que pode custar a liderança.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.