Ricardinho, um artilheiro por acaso

Ricadinho artilheiro? Com dez gols marcados no Brasileiro, o capitão do Santos nem sonha em conquistar a artilharia do campeonato. "É um momento diferente porque é a primeira vez que faço esse número de gols, mas não é minha pretensão, nem minha característica", disse o meia, ressaltando que treina e se dedica para ter um índice de acerto grande nas jogadas de bola parada. "O mais importante é poder contribuir na parte coletiva e sempre trabalho nesse sentido". A artilharia não é o sonho desse jogador experiente consagrado noCorinthians e que encontrou no Santos a oportunidade de retomar suacarreira, depois do insucesso no São Paulo. Rapidamente, ele assumiu uma condição que não pretendia, a de liderar o grupo. "Foi uma coisa natural, pois liderança não se impõe", comentou, satisfeito com sua suas atuações pelo time da Vila Belmiro, que o reconduziram à seleção e provavelmente o levarão ao exterior no ano que vem. Tudo isso e mais a responsabilidade de substituir Diego, que foi umdos maiores ídolos da torcida junto com o amigo Robinho. Ricardinho tem realizado um trabalho eficiente dentro de campo e sua liderança évisível no grupo. Ele procura. Porém, destaca que não está sozinhonessa função. "Há outros jogadores que também conversam bastante e isso é importante para o grupo". É nessa condição que o meia analisa seu atual momento de artilheiro. "O importante é que o coletivo vença. Se tivermos um artilheiro, melhor ainda, mas o intuito não é esse, o que importa é continuar na liderança". Até Ricardinho se surpreendeu com os três gols marcados, naquarta-feira, no empate contra o Atlético-PR. "Já tinha feito boasatuações pelo Santos e naquela partida houve os gols e, quando issoacontece, há uma valorização". Disse isso e logo se apressou para completar: "O trabalho não foi só meu ou de outro jogador, foi coletivoe lamento que não saímos com resultado positivo. Foi uma pena e nosfrustrou". Ricardinho está de volta à seleção e ainda não sabe o que irá fazer quando terminar seu contrato com o Santos, no final do ano. Ele diz que não pensa nisso agora e que está concentrado apenas na conquista de mais um Brasileiro, mas dificilmente permanecerá no Brasil. O técnico Vanderlei Luxemburgo, do Real Madrid, já deu sinais de que pretende contar com esse jogador de sua absoluta confiança, fazendo prever mais uma queda de braço com o presidente Marcelo Teixeira, que se tornou amigo do meia e não pretende deixar escapar mais esse atleta importante.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.