Dylan Martinez/Reuters
Dylan Martinez/Reuters

Ricardo Ferretti é convidado para assumir a seleção do México interinamente

Ideia é que ele comande a equipe contra Uruguai e EUA nos dias 7 e 11, enquanto a entidade não define um substituto para Juan Carlos Osório

Estadão Conteúdo

23 Agosto 2018 | 16h18

O técnico Ricardo Ferretti deve comandar a seleção mexicana interinamente nos amistosos de setembro. A informação foi revelada pelo presidente do Tigres, Miguel Angel Garza, clube no qual é comandado pelo brasileiro.

O mandatário informou nesta quinta-feira que foi procurado por dirigentes da Federação Mexicana de Futebol para avaliar essa possibilidade. A ideia é que ele comande a equipe nos duelos contra Uruguai e Estados Unidos nos dias 7 e 11, enquanto a entidade não define um substituto para o colombiano Juan Carlos Osório, que deixou a equipe mexicana após o término da Copa do Mundo da Rússia.

"A Federação fez contato com o Tigres e comigo pessoalmente e combinamos de conversar nos próximos dias para chegar a uma decisão. Nos sentimos orgulhosos e honrados de que o nosso técnico seja candidato para comandar o México nos amistosos", afirmou Garza.

O brasileiro Ferreti, de 64 anos, é um dos técnicos mais vencedores do futebol mexicano, com seis títulos nacionais defendendo três diferentes equipes. Apenas o técnico Ignacio Trelles levantou mais taças do que ele, com sete no total.

Há algumas semanas, Ferreti declarou que um dirigente da Federação Mexicana o procurou para assumir a seleção do país como técnico efetivo, mas ele recusou. O brasileiro tem contrato com o Tigres até 2020 e disse também que poderia comandar a seleção de maneira interina.

Não seria a primeira vez de Ferreti no time do México. Em 2015, ele assumiu a equipe por três partidas antes da contratação de Osorio. Com ele, a seleção do país derrotou os Estados Unidos e garantiu vaga na Copa das Confederações da Rússia.

"Primeiro temos que ver a necessidade do México, segundo do Tigres e terceiro se o treinador está de acordo com essa situação. Assim a gente consegue chegar a um acordo sem afetar nenhuma das partes", acrescentou Garza.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.