KARIM JAAFAR / AFP
KARIM JAAFAR / AFP

Ricardo Gareca não garante permanência na seleção peruana e pode deixar a equipe após 7 anos

Sem a classificação para a Copa do Mundo, treinador argentino afirma que precisa de um tempo para pensar sobre o futuro de sua carreira

Redação, Estadão Conteúdo

14 de junho de 2022 | 10h45

Técnico do Peru desde 2015, Ricardo Gareca pretendia classificar a equipe para uma Copa do Mundo pela segunda vez consecutiva, mas não completou a missão e pode estar perto de encerrar o ciclo na seleção sul-americana. Após a derrota nos pênaltis para a Austrália, na Repescagem Mundial das Eliminatórias para a Copa do Catar, na segunda-feira, o argentino de 64 anos afirmou que precisa de tempo para pensar sobre o futuro da carreira.

"Este não é o momento de falar sobre minha continuidade. Agora estou muito magoado, como todos os jogadores e torcedores. Essas decisões são tomadas depois de uma análise profunda e fria, não em momentos como agora", comentou após o jogo, disputado em Al Rayyan, no Catar. "Quando chegarmos a Lima será hora de repensar muitas coisas para analisar, estou com o jogo na cabeça e precisamos ter calma. Em Lima veremos a situação", completou.

O vínculo entre Gareca e seleção peruana era garantido, por contrato, até o fim da participação do time nas Eliminatórias. Caso a vaga na Copa fosse conquistada, a duração seria estendida automaticamente. Como isso não aconteceu, ele fica livre no mercado, mas, segundo a imprensa peruana, a federação de futebol do país tem interesse em dar sequência ao trabalho de sete anos comandado pelo argentino.

Gareca marcou um período importante para o futebol do Peru. Sob o comando dele, a seleção nacional se classificou para a Copa do Mundo da Rússia, em 2018, na qual foi eliminada na fase de grupos, após 36 anos longe do mundial. A última participação antes dessa foi em 1982, na Copa da Espanha.

Antes de fazer história junto aos peruanos, o treinador teve uma passagem bastante ruim pelo Palmeiras, em 2014. Na ocasião, acabou demitido após oito derrotas, quatro vitórias e um empate em 13 jogos, com um aproveitamento de 33%. O time paulista continuou brigando contra o rebaixamento após a saída do argentino, substituído por Dorival Júnior, até o final da temporada, a última antes do início da relação do clube com a Crefisa, em 2015.

Em sua carreira, Gareca também treinou times como Vélez Sarsfield, Santa Fé, América de Cali, Universitário, Argentinos Júnior, Independiente, Talleres, entre outros.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.