Ricardo Gomes aposta em Júlio Baptista

Ricardo Gomes aposta muito no vigor de Júlio Baptista para a partida desta terça-feira, contra Honduras, pela Copa Ouro. O técnico da seleção brasileira sub-23 pediu ao jogador do São Paulo para se soltar mais e se apresentar como opção para as jogadas pelo lado direito do ataque, algo que não fez na estréia e que levou o Brasil a concentrar muito as jogadas pelo lado esquerdo, por onde Robinho e o lateral Adriano criaram bons lances. "Não saí contra o México para não deixar muito espaço lá atrás, mas o jogo desta terça vai ser diferente e com certeza vou fazer umas ultrapassagens pela direita." Júlio Baptista é um dos jogadores mais importantes para o treinador. Ricardo Gomes diz que ele e Thiago Motta são os mais versáteis do elenco e por isso se tornam fundamentais num grupo que por força do regulamento da Copa Ouro só pode ter 18 jogadores. "É preciso contar com atletas que saibam fazer várias funções. O Júlio e o Thiago me dão isso, porque podem jogar mais atrás, mais à frente e também pelos lados." O jogador do São Paulo acredita que o horário da partida o ajudará a manter um ritmo forte como o que apresenta no clube, apresentando-se no ataque e voltando para marcar. "Jogar ao meio-dia é complicado, ainda mais na altitude. Nesta terça vai estar menos calor, além de já termos dois dias a mais de adaptação à altitude. Com certeza nós vamos correr mais." Assim como os outros jogadores, Júlio Baptista acha que o time precisa melhorar pouca coisa em relação ao primeiro jogo para conseguir a vitória. "O principal é acertarmos as finalizações, porque não poderemos desperdiçar tantas chances como contra o México. E conversar um pouco mais para corrigir alguns problemas de posicionamento. Algumas vezes eu pensei em atacar contra o México, mas quando olhava já tinha alguém ocupando o espaço pela direita. Como não tivemos tempo para treinar, vai ter de ser na base da conversa para acertar esses detalhes." Diego também acha que o fundamental é o time aproveitar as chances de gol. "Na minha opinião, fizemos uma partida melhor do que o esperado contra o México se levarmos em conta que treinamos pouco tempo. Se repetirmos aquela atuação e tivermos mais precisão nas finalizações, não tem erro." O craque santista continua sendo o mais inconformado com a derrota na estréia, mas garante que não está abatido. "Sempre que lembro do jogo de domingo sinto raiva, porque não merecíamos ter perdido. O negócio é procurar pensar o menos possível nisso e colocar a cabeça só no jogo contra Honduras. Sabemos que é uma partida decisiva, mas estamos confiantes e vamos entrar em campo tranqüilos."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.