Ricardo Gomes culpa altitude pela derrota

Aconteceu o que o técnico Ricardo Gomes mais temia: os jogadores brasileiros sentiram demais os efeitos da altitude e não tiveram condição física para impedir que o México ganhasse, por 1 a 0, neste domingo à tarde, no Estádio Azteca, na final da Copa Ouro. Depois de parabenizar os mexicanos pela conquista, o treinador brasileiro foi sincero ao analisar o desempenho de sua equipe. "O jogo foi muito diferente daquele da estréia. Sentimos demais a altitude e não conseguimos jogar. A única coisa que pudemos fazer foi resistir até quando foi possível. Jogamos na raça até onde deu." A esperança de jogar com uma temperatura mais amena - o sábado foi nublado, choveu praticamente a tarde inteira e à noite fez 16 graus - terminou às 11h50, a 10 minutos do início do jogo, quando as nuvens que encobriam o sol sumiram e o sol começou a bater forte no gramado do Azteca. Por ironia do destino, o tempo fechou uma hora depois do encerramento do jogo e o final da tarde foi chuvoso. "Percebi logo no começo da partida que nossos jogadores não iam conseguir render o que podiam. Os mexicanos estavam muito mais rápidos, com reações mais vivas. Eles souberam usar muito bem o fator altitude para impor um ritmo forte e desgastar o nosso time. Foi uma pena. Tenho certeza de que a história teria sido bem diferente se a final tivesse sido jogada ao nível do mar." Para complicar ainda mais a situação para o Brasil, os dois jogadores que criam os lances e pensam o jogo estiveram entre os que mais sentiram as pernas pesadas: Kaká e Diego. "O time sentiu falta deles. Infelizmente, os dois não tiveram condição de render o que vinham rendendo", disse o treinador, que também apontou o lateral-direito Maicon como um dos que estavam se arrastando pelo campo. Embora Diego estivesse "pregado", o treinador decidiu mantê-lo para a prorrogação e sacrificou Nilmar para colocar Ewerthon. "Nossa única chance de chegar ao gol seria numa bola em velocidade para o Ewerthon, que estava com gás. Deixei o Diego pensando que ele poderia enfiar uma bola para o Ewerthon, como no jogo contra os Estados Unidos. Disse para ele parar de correr e se posicionar para tentar fazer um lançamento. Mas não tivemos tempo de armar nenhuma jogada assim." A derrota na final não alterou em nada a opinião de Ricardo Gomes sobre o elenco que trouxe para a competição. Ele se considera satisfeito por ter montado um grupo e achou que foi um aprendizado muito importante para os meninos. "Foi uma senhora experiência para eles. Não nos preparamos para a Copa Ouro e quase saímos daqui com o título. O México se preparou, foi o único time que jogou todas as partidas na mesma cidade e contou com a altitude. Estou muito satisfeito com o que os garotos mostraram ao longo da competição." Depois do jogo, a delegação brasileira sofreu no trânsito até chegar ao hotel, por volta das 15h40 (17h40, horário de Brasília). Os jogadores - que haviam sido aplaudidos pelos torcedores mexicanos quando subiram ao pódio para receber suas medalhas -, entraram em silêncio no hotel, subiram para almoçar e uma hora depois seguiram para o aeroporto. O único jogador que não embarcou para o Brasil foi o atacante Ewerthon, que pegou um vôo para a Alemanha e nesta segunda-feira se apresentará ao Borussia Dortmund. O Campeonato Alemão começa sexta-feira e sua equipe estreará no dia seguinte, enfrentando o Schalke 04 fora de casa.Thiago Motta foi autorizado pelo Barcelona a viajar para São Paulo, onde passará por uma cirurgia para extrair as amígdalas. Ele será operado no Hospital Albert Einstein, pelo médico Márcio Abrão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.