Ricardo Gomes rouba a cena no Porto

Ronaldo, Rivaldo, Roberto Carlos. Todo mundo sabe que onde o trio chega, acompanhado de Ronaldinho Gaúcho e Cafu, há no mínimo um grande empura-empurra. Isso se confirmou mais uma vez durante os cinco dias de permanência da seleção na cidade do Porto. Um detalhe, porém, chamou a atenção até mesmo da comissão técnica. Havia sempre um integrante da comitiva cercado por dezenas de fãs e jornalistas portugueses. E o assédio era constante. Tratava-se de Ricardo Gomes, hoje treinador da seleção brasileira sub-23. Ele é ídolo em Portugal.Notadamente da torcida do Benfica, pelo qual atuou em três temporadas: 88/89, 90/91 e 95/96. Conquistou dois campeonatos nacionais e uma Taça de Portugal como zagueiro, além de ter disputado a final da Liga dos Campeões da Europa, em 1990 ? partida em que o Benfica perdeu por 1 a 0 para o Milan. A trajetória vitoriosa no clube lhe rendeu fama hoje comparável a de atletas da seleção local, ainda em atividade. Ricardo Gomes deixou de jogar futebol em 1996. "Toda vez que passo férias em Portugal me impressiono com o que vejo; é uma receptividade incrível."Exemplo dessa idolatria pôde ser vista na edição desta sexta-feira do maior jornal esportivo do país, A Bola. Na véspera do clássico Brasil x Portugal, o periódico destacou em sua capa uma foto grande de Ricardo Gomes, anunciando uma entrevista exclusiva do ex-jogador, com a seguinte manchete: "Benfica marcou a minha vida." Não havia nenhuma referência nas chamadas de capa a Ronaldo, Rivaldo, Roberto Carlos, Figo, Deco, etc.Na tarde de quinta-feira, quando uma boa parte da imprensa portuguesa entrevistava Rivaldo, outro grupo, de 18 repórteres, cercava Ricardo Gomes à beira do campo do Padroense, local do treino da seleção. O sucesso e reconhecimento em Portugal são inegáveis. Ricardo, no entanto, observa outro aspecto nas manifestações. "O que pesa mais é a instituição. Como fui muito ligado ao Benfica, essas situações soam como se estivesse aqui um representante do Clube da Luz. De qualquer forma, me sinto orgulhoso com tudo isso."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.